Samashi Tomie!!!


A minha casa. O meu carro. A minha irmã. O meu lenço às bolinhas. A minha Siena.
É já como minha que vejo Siena, e é também assim que a dou a ver.

Da Piazza del campo ao Duomo, por vias e vicoletos, lá fomos num passeio pela Primavera de Siena.
A noite veio, a Primavera ficou e nós fomos até à paragem do autocarro da Essenza. Umas com mais calores que outras…
A noite era especial, já que a discoteca importou um DJ asiático, da China, do Japão ou talvez da Coreia (chi sa?). Enfim era um Dj de House com os olhos esticadinhos que aparecia em posters nas paredes de Siena, anunciando a festa.
E nós lá fomos, para a festa.
Chegadas à estátua onde para o autocarro, já lá estava o dito cujo, vazio, à espera. Foi no entanto uma pena não ter esperado por nós, e ter partido vazio e solitário. Isto, apesar de lá estarmos nós (eu, Neuza, Alana e Vanessa) e o Erion (vice-presidente do Grupo Erasmus) acenando para que o autocarro voltasse atrás. Não voltou.
Devo confessar que nesta altura fiquei u bocadinho aborrecida com a minha Siena. Afinal, vem cá a minha melhor amiga e depois perdemos o autocarro para a Essenza e não temos nenhuma outra alternativa apelativa! A Alana reclamava e reclamava da minha Siena e dizia que a abrir um “club”. A Ana e a Vanessa diziam que estavam demasiado contentes (apesar de termos perdido o autocarro) para irem para casa…
E já o Erion tinha dado a noite por perdida, dizendo que não estava cá mais ninguém de Erasmus, quando avistou no horizonte, o meu “compagno” e a sua troup , tal como nós já lhe tínhamos comunicado que viriam. É verdade que 90% dos Erasmus foram a casa passar a Páscoa, mas estamos cá nós e meia dúzia de espanhóis! E assim já somos quase 20, de modo que o Erion telefonou para a discoteca e algum tempo depois autocarro regressou!
Pela primeira vez em dois meses e alguns dias, a banda sonora da viagem não foi espanhola com batuques nas janelas, e havia lugar sentado para todos (o que mostra o quão realmente vazia está a minha Siena). E então fizemos história, e desta vez os espanhóis é que tiveram que levar com o Quim Barreiros, os Xutos, as Doce, e a Ana até tentou o Toni Carreira! Deste modo, a Neuza não conheceu a verdadeira essência das viagens de autocarro para a Essenza, aquela essência a curvas, bêbedos, e autocarro apinhado como se fosse hora de ponta. O que não se pode dizer que tenha sido necessariamente mau…
Também a Essenza não estava como de costume, estava boa!!! O Samashi Tomie atraiu italianos suficientes para encher o recinto, e com mais os 20 Erasmus que lá estávamos (e uma erasmus portuguesa falsificada, que entrou como tal para não pagar dado que o senhor Samashi ainda custava 20€) foi a loucura! Até a Alana gostou! Posto isto, a Neuza tão pouco conheceu a verdadeira essência da Essenza, o que decididamente não se pode dizer que tenha sido algo de mau.
Voltámos no autocarro das 3.15 e fizemos um adeus sorridente pela janela à Ana e à Vanessa, que tinham decidido ir no próximo autocarro e mudado de ideias tarde de mais. Foi um momento divertido, se bem que logo a seguir, nos pesou o adeus de desalento que elas nos retribuíram. Então a Alana indagou se em vez de ficarmos a fazer adeus não deveríamos ter pedido ao motorista para parar. Agora nunca saberemos não é?

DJ Samashi Tomi RULAAAAA!

Comentários

Mensagens populares deste blogue

O síndrome de Bridget Jones

Já cá estou outra vez, desculpem a demora...

Aproveito o 8 de Março para dizer que as mulheres deviam ganhar mais do que os homens