Eu não gosto das ervilhas!


Ter filhos quer dizer ter preocupações constantes. E por conseguinte, ter pais, quer dizer ter conselhos e advertências constantemente!

Antes de vir para Itália, a minha mãe alertou-me para o perigo do “homem italiano”, conquistador profissional! Tal aviso criou em mim elevadas expectativas, e agora, 4 meses depois, tudo o que me resta é frustração, é desilusão. Oh mãe enganaste-me! Oh mãe era isto que te preocupava? Oh mãe…
Os pais deviam saber que não se pode alimentar esperanças nas crianças desta maneira e depois romper com elas assim, em bruto modo.
Mas eu sei que a Maria Gabriela (mãe) estava bem intencionada. E foi com todas estas ideias em mente que quando li a palavra “cuidado” no último e-mail do ente materno, me preparei para um discurso sobre os jogadores de futebol. Pensei, “claro, leu no último post que íamos a uma festa de jogadores futebol e agora vai dizer-me para ter cuidado”.
Porém, desta vez quem se enganou fui eu!!!
Em vez de me advertir para os perigos de uma festa com jogadores de futebol italianos e bêbedos, não! Isso não a preocupou minimamente! Eu tenho é que ter cuidado com os mórmon!!! Porque os meus amigos mórmon é que podem ser realmente perigosos!!!
Recebi então um e-mail da entidade maternal a explicar-me o que são os mórmon. Pois passo a explicar à entidade maternal que por esta altura já tenho uma ideia bastante profunda não só do que são os mórmon mas também do porquê que o são. Vamos então desmistificar alguns estereótipos que reinam na cabeça de muita gente: os mórmon (ou Elders em Portugal), não têm que andar sempre dois a dois, não só andam pela rua sozinhos como também não levam ninguém para a casa de banho; os mórmon não andam por aí a bater às portas para tentar converter as pessoas, e os nossos amigos só falam da sua religião quando nós perguntamos; os mórmon não são todos polígamos, apenas algumas facções extremistas. Um dos meus amigos até é de Utah (a minha mãe disse que estes eram os piores!) e nunca teve mais de uma namorada de cada vez nem tenciona ter; os mórmon que eu conheço não desprezam as mulheres, não têm nada contra mulheres assumirem lugares de liderança e até me arrumaram a cozinha e lavaram a loiça (tarefas tradicionalmente “de mulher”) depois do último jantar.
No fim do e-mail a minha mãe escreveu “… o que não quer dizer que não possam ser boa pessoas”. Brava mama! Não poderia estar mais de acordo! Aqui há gente que odeia os espanhóis, há gente que odeia os suíços, outros não gostam dos ingleses, outros não podem com os italianos, a minha mãe estava preocupada com os mórmon… A questão é simples: não se podem fazer este tipo de generalizações. Não há duas pessoas iguais. Todas são únicas.

Domingo à tarde as ruas andavam agitadas! Festejava-se a permanência do Siena na série A como se o clube tivesse ganho o campeonato. E depois, ia haver uma cerimónia com todas as contradas. Às 7 da tarde a Piazza encheu-se com pelo menos 20 000 pessoas e nós fomos a correr para não perdermos…17 bandeiras a serem hasteadas… Cinco minutos, 17 bandeiras, excitação suprema!
À noite fomos à Birreria e aO Vanilla (discoteca melhor que a Esseza) com o meu amigo brasileiro da Juventus (emprestado ao Siena) e os solteiros da equipa. Com jogadores de futebol tudo é de graça e todas as portas se abrem! Mas que não fique a ideia de grande “Glamour”, tapete vermelho e champagne. Tirando o champagne, nada restava de “galmorous”. Mas quem é que precisa de candeeiros de cristal e caviar para se divertir?
Nós não!!!

Legenda: da esquerda para a direita, em cima: Piazza a abarrotar; Luis (amigo brasileiro do Douglas) e Ana; Ana, Alana e eu na Vanilla com os jogadores bêbedos a dançar atrás de nós;
fila do meio da esquerda para a direita: Alana, Douglas Parker#17, eu e Ana; Alana, Massimo Maccarone#32, eu e Galloppa#14; as 17 bandeiras a serem hasteadas;
em baixo, da esquerda para a direita: Ana a põr um coração gigante no carro, com o Douglas e o Luis;Douglas e eu; Ana, Luís e Alana; Luis e Douglas

Comentários

Alê disse…
Ja que ninguem avanca comento eu! Esta foi uma grande noite! Ah meia noite ja estavamos a dizer que iamos para casa e olha... para lá as 4 quando chegámos!
E a Ana e o Todinho hein?! :)
Floribelo disse…
Nota final à Caríssima e mui badalada Cristina Baldaia :

O sentido comum , não é apanágio de nenhuma profissão. Umas e outras sofrem os seus tiques preferenciais. Mal este espaço rodou, e v/c , sempre coerente com a sua promoção pessoal, não deixou de nos fazer saber que é Advogada, e está no Estado de Utah. ( continua a pagar a quota na Ordem, ou está em período suspensivo ? Ou será simplesmente uma mais licenciada em Direito? ).

Os links para as suas aptidões , e regurgitos pessoais messe espaço, já não estão activos, sinal que o sentido comum do Irmão Gaspar, administrador do blog, prevaleceu.

Ao contrário do que julgou e deduziu, sou dos 75%., pois sou mais um dos servidores anónimos desta Igreja.

V/c é da banda dos 25%, a publicita, a iluminada, mas não certamente com a Luz adequada.
Nunca trocarei a minha postura de anónimo e leal Servidor, por isso que pretende projectar.

Estarei, estaremos ,ousaria dizer, muito atentos à nova estratégia de difundir os Princípios Evangélicos da Igreja neste País. Aos métodos, e meios.

Estamos atentos às colagens de negócios que se façam á sombra da Igreja. Sejam eles clinicas, editoras, Sociedades de Prestação de serviços, etc, etc.
Incluso especulações mobiliárias.

Nós, eu, não sou norte-americano. Nem sequer brasileiro.

Conheço de sobra as manhas dos meus compatriotas. Os presenciei com o mais serôdio descaramento esbanjar meios financeiros da Igreja com o pretexto de que se não os gastavam, eram devolvidos.
Respeito e amo do fundo das minhas entranhas, a generalidade dos meus Irmãos que, com algum sacrifico pagam os seus dízimos, para guardar silêncios convenientes.

Mesmo com a sua e as suas citações de Montesqie (sic !) , ou de Brecht.

Bastam-me as Escrituras e demais Livros Sagrados.

Não vou em “ literaturas”

Muitos mais há por esse País que como Santos, tampouco vão. Só espero que não baixem os braços como tantos e tantos bons irmãos fizeram.

Somos Santos, mas não somos tontos, como , no meu caso, pretende fazer crer que sou.

Se queremos em Verdade , e na Verdade do Evangelho contribui para os “ mau .entendidos” que o público em geral possa ter de Nos Outros, e implantarmos de uma vez por todos a Igreja neste País, tome algo do seu próprio remédio recomendado:

SEJA transparente e verdadeira.

Distribua-a já agora , uma dose bem servida pelas “ iluminarias” que orbitam na sua ribalta cénica.

Menos “ jornalista”, e menos “ sistema”.

Tome nota :

.Ninguém está a negar o Evangelho.

Ninguém está aqui atacando a Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos ( estou longe ser necrófago)

Ninguém está renegar o Santo Sacerdócio.

Estamos a confirmar o que nunca poderia ter passado despercebido, pelo Dom dos Discernimento, e de facto não passou, e que alguém, alguns, querem silenciar.


Não escreverei nem mais uma linha.
Há meios muito mais eficientes que a escrita, sabia?
Medite.
Floribelo disse…
Resposta à Irma " Kita", portuguesa, e Membro da Estaca de Lindon-Utah -USA

O que disse a " Kita"

Olhe que nao, caro Floribelo, olhe que nao...O unico cobarde parece ser o sr. que continua no anonimato. Decidi-me pelo diminuitivo que me deram em pequena por saber que seria identificavel. Entao, nunca reparou que ate' neste blog ora me chamam Kita, ora Cristina Baldaia? O sr. parece ser dos poucos que nao tem a honra de me conhecer :)
E deixe-me que lhe diga, afinal, as minhas frases sonantes, feitas e falsas como lhe chama, parecem ter merecido a sua atencao ou nao fosse o relamborio bem mais rebuscado que escreveu logo a seguir (embora se possam limar-lhe umas arestas, aqui e ali).
Confesso que mais sabio foi quem ignorou os seus comentarios, mas esta minha veia trasmontana foi mais forte. Tontice a minha.
Amigo, presuncao e 'agua benta cada um toma a que quer, mas autointitular-se parte da casta dos iluminados (os tais 25% que falam o que lhes vai na alma...)mete do'!
Nao julgue ninguem, muito menos quem nao conhece, pela sua bitola.
Faca jus aos valores que tanto apregoa regerem a sua vida. Nao desfira mais ataques pessoais, seja grilo falante, critico, mas construtivo, cristalino.

10 de Fevereiro de 2008 2:06

( na impossibilidade de responder no mesmo espaço, previamente censurado, eis a resposta do Floribelo )

Caríssima Cristina Baldaia, dita a “ Kita” !

Penitencio-me por nunca ter reparado no grau e na intensidade estelar da sua presença entre os pobres e humildes anónimos desta Igreja , em Portugal.

Sabe, Cristina , e para simplificar, parece haver dois tipos de Membros nisto das personagens com alaridos e que “ deveriam ser imediatamente reconhecidos “, como a senhora e outros da sua suposta órbita de influências :

Os que se passeiam entre os corredores da influência, nos escritórios atapetados ,sempre abicando tudo o que cheire a Utah, numa promoção constante, seja nos Templos, Escritórios , Estacas , Distritos, Alas ou Ramos , utilizando todos os meios para publicitar-te e publicitar , num frenesi bem conhecido , os “carreiristas”, aqueles que já ocuparam os postos de trabalho muito antes mesmo que sejam afixados os anúncios nas Unidades ( por norma já fora de prazo, e no cumprimento dum requisito formal , sem qualquer utilidade prática ) doravante apelidados carinhosamente, em sua memória , os “ baldaios “. J

E os restantes.
Os anónimos. Os comuns. Enfim, os Santos de a pé, os “ sem cavalo”! srsrsr

Ora acontece que os “ baldaios” têm algo em comum, mas de diversa e mesmo antagónica, interpretação.

Uns e outros têm algo em comum; a saber , o de terem prestado serviço como missionários de tempo integral.

O que é e será sempre louvável. E reconhecidamente meritório .

Tendo aparência igualada, e não igual , então onde se nota a diferença de atitude entre estes dois tipos genéricos de servidor ?

É que enquanto um jovem de coração puro serve, por servir, sabe que isso é uma benção extraordinária para si e os seus, estando em tudo de recta intençao numa actitude de generosidade sem retorno, e depois de desobrigado se integra no anonimato da sua Ala , continuando a servir com os mesmo fervor os seus irmãos, e está positivamente reconhecido pelo simples facto de ter servido, nada esperando em troca, seja em que dominio for, o “ baldaio” , esse, mesmo antes de ser chamado para servir, já tem delineada toda uma estratégia ..ssrsr

Se é moça e casadoira, o alvo é um missionário mormón do Estado de Utah ! ( contenta-se em território USA, pelo mínimo ) se é moço, vice versa. Procura uma moça e vai aprimorando o inglês J ( digam os Presidentes de Missão as dores de cabeça que estes “baldaios” lhes causam...ssrr ).

Mas há os que simplesmente usam o trampolim da missão para escapar-se fora do seu meio e mesmo País ( Cabo Verde, por exemplo, entre outros ).

No grupo dos “ baldaios from Portugal” há uma característica comum além do objectivos atrás descritos, que os identificam imediatamente : a pose, a postura. : )).

Não suportam que o comum dos Membros não os reconheçam, melhor e citando a Cristina Baldaia , protótipo da espécie :

“Então, nunca reparou que ate' neste blog ora me chamam Kita, ora Cristina Baldaia? O sr. parece ser dos poucos que nao tem a honra de me conhecer :) “

Imperdoável J. ( gostei aquilo do “ até neste blog!”. Cite-me onde mais para não cometer tal agravio).

Como ousei tal afronta, eu que arrasto o esqueleto tantos anos por cá, e vi passar “ rios de baldaias” e outras coisas mais !

Lhes é insuportável o anonimato.

Quanto ao aspecto exterior, são muito estritas nos trajes.
Estão sempre na primeira fila no filme das “ Caravanas Mormon” .
Lhes é insuportável as moças mais bonitas e “descontraídas”.
São as Guardiães do pudor.
Nada escapa à sua bitola de avaliação : ).Nem as intimidadas do casais lhes escapam.

Quando vão ao Templo por exemplo , são muito festeiras !” Animadoras” , dizem, elas.
Nunca se esquecem do crachá de ex-missioneiras, não vá que sejam confundidas por simples e corriqueiros Membros sem pedigree.

A zona da cozinha no edifício de alojamento, por norma é um palco..srsr.

Mas também muito “ conselheiras”.
Citam e citam , num rodopio de “ felicidade” srsrs.
Descaem muito rapidamente na tal “ faladuria”, ( de faladeiras) ,no “ espírito da excursão “ J.

Outras da características são as fotos.

A maquineta fotográfica ( e agora com a digitalização, e o telefone com olho, ainda pior..srsr) representa para esta espécie um apêndice, quase corporal .

Fotografam quase tudo e todos, sobretudo gente do exterior das fronteiras nacionais, sejam da Europa, ou do outro lado do Atlântico .E difundem na Rede! Colocam sem pudor e pouco senso a vida em folhetins fotográficos na net, expondo os filhos e familiares aos olhares do vulgo mortal.

O que interessa é que sejam conhecidos .Como lhes deve pesar o anonimato. J)

Conheci alguns que até sons gravavam , mesmo que isso estivera, e está recomendado não o fazer, para “ memória no seu diário” , diziam.

Tanto eles como elas, os “ baldais”, sabem que os jovens missionários/as provenientes dos USA são as correias de transmissão, via Presidentes de Área e Missão, para os centros de decisão da Igreja .

Mas também sabem que os Presidentes do Tempo, suas Esposas e Conselheiros são outras tantas mais valias. A razão é simples : são os “ olhos e ouvidos” legítimos de tais Autoridades, numa hierarquia subtil, mas eficiente, ajudando assim a responsabilidade de governo.

Estes jovens, e mesmo os Casais Missionários ,são os seus alvos preferidos. E aqui serve tudo, ou quase tudo para se fazerem notar e se fazerem conhecer..srsr.

Se algum dos Membros da sua zona for Chamado para servir ( não exercer..) como Autoridade Geral, cerram filas de imediato esperando as migalhas , naquilo que imaginam ser a “ mesa farta nas atribuições de poleiros “.

São viperinos, com canticos e citações fartas.

Muitos dos nossos Profetas nos recomendaram sobre esta espécie. E o Evangelho também.

Conheci casos extremos que chegaram à caricatura. Uns entristeceram-me , outros fizeram-me rir com gosto.

Para citar dois casos ; um deles , no norte do País, um rapaz do chamado Portugal profundo, nunca emigrado, mal foi chamado para Conselheiro de Distrito começou a falar com pronúncia americana ! Era um regalo para os ouvidos e para a arte cénica as poses e discursos! .))Nunca compreendi o que dizia. A arte de representar era muito superior ao conteúdo das palavras, ou da pretensão mensagem com ares de “ profecia anunciada” .

Outro, este com um familiar directo como Autoridade Geral, quando visitava uma Unidade da sua Área de Chamado ,começava sempre assim ; “ acabo de falar um uma Autoridade Geral, e ela recomendou..). Variavam os termos, mas a fanfarronice era sempre a mesma. J

O que este querido Irmão queria dizer na realidade é que “ acabava de almoçar com um familiar, com a nora e os miúdos , e que tinham bilhardado sobre temas que deveriam ser tratados no ambiente de espirito próprio.).

Nunca compreendi, aqui também onde começava a Autoridade e acabava o familiar ! J)

E neste estilo de amor e descontracção, sem nos tomarmos demasiado ao sério – somos muita pouca coisa em relação ao resgate de Cristo e muito pouco podemos acrescentar a tal Supremo Sacrifício- vou por fim , justificar nisto da “ mascara” ou do incógnito :

Conhecendo como conheço os “ baldios” de turno, alguns incrustados há demasiado tempo nas estruturas da Igreja, dentro e fora do País, e sabendo que se escrevera aqui o meu nome , assumindo afinal o que é do conhecimento dentro da Igreja por qualquer Membro, e não sendo isto de maneira alguma nenhum líbilo "acusatório", simplesmente um momento de descontracção e muito amor, com um olhar mais terno que critico, assumindo dizia eu, podia por em risco a permanência minha, e da minha Família no seio desta Igreja, a qual pertencemos e muito nos reconforta e ajuda.

Conhecemo-lhes as manhas e as palavras melosas, mas nunca nos perdoariam, tais “ calúnias” ! J)

Sabemo-lo bem. Já assistimos a muitas outras, algumas terminados em dramas pessoais ,e nos guardamos de sofrimentos corporais inúteis, aqui desnecessários e inoportunos, só para satisfazer os ímpetos justiceiros desta gente.

Quica se não nos tivéramos tomado demasiado a sério, nós o Povo Mormon em Portugal, e nalguns aspectos orgulhosamente entronados, muitos dos nossos Irmãos inactivos encheriam as nossas Alas e Estacas, sem necessidade de “ estratagemas” de serviço público, quando tanto necessitamos portas adentro e nada ou pouco fazemos.

Bem sei que aí não TV, nem jornais, nem fotos, nem net. Há isso sim, muita entrega anónima, muito amor, e muito silêncio .São estes, afinal os Santos do Espírito, os do “ olhar do coração”. A troupe dos anti- baldaios, afinal.

Em tempos já idos, os missionários, uma vez por semana ajudavam com trabalhos práticos e braçais, os membros mais necessitados .Fossem nas Unidades , ou nas famílias, ajudavam segundo os seus dons e méritos. Tempos.

Mensagens populares deste blogue

Já cá estou outra vez, desculpem a demora...

Aproveito o 8 de Março para dizer que as mulheres deviam ganhar mais do que os homens

Um fim de ano especial, com festa no Palácio Real!