De volta à base



Acabou agora. Logo agora, que conheci pessoas de quem gosto de verdade e me apercebi de como gosto de outras pessoas que já conhecia…



Chegou o pior momento da viagem, o fim…
Eu reclamei do trânsito, e da poluição, e da violência, e da confusão… Mas ai de quem me vier falar mal de São Paulo, ai de quem destratar o meu Brasil!
O primeiro emprego, o primeiro salário, o primeiro salto de pára-quedas, a primeira viagem de rafting, Cataratas do Iguaçu, Paraguai, Buenos Aires, Belo Horizonte, Praias do Litoral, Ribeirão Preto, Sertãozinho, São Paulo, Interlagos, Av. Paulista… um mapa interminável de lembranças, de pedacinhos de mim, que se misturam cá e lá.
Tenho uma família maravilhosa que nem sabia que existia, tenho amigas que não se importam que eu deturpe os nomes delas com o meu sotaque português, e tenho outras amizades que não têm idade nem prazo de validade.
E ontem deixei tudo isso para trás.
É assim a vida errante do viajante: pessoas e lugares passam como autocarros, apanhamos um e depois seguimos o nosso caminho. Só que descer do autocarro não custa tanto como olhar alguém pela última vez! Sair do autocarro é bem mais fácil que sair de toda uma vida que levámos, por muito curta que tenha sido.
Foi uma vida em Itália, e mais outra em São Paulo, e tudo o que eu queria hoje era ressuscitar em ambas!
Chama-se saudade, chama-se amor e paixão, chama-se amizade e chama-se o que quiserem porque todos os nomes terão apenas um significado: valeu a pena!
Vale sempre a pena ser feliz!!!
Mas e agora, onde é que eu vou ser feliz? Como? A fazer o quê?
É uma incerteza avassaladora que me agonia, um medo de ter muitos planos e nada planejado.
Emana um desejo colossal de voltar para trás, apanhar o primeiro avião outra vez, começar o sonho de novo, sem mudar nada.



É estranho estar aqui, onde toda a gente percebe o que eu digo.
É estranho estar aqui, longe de vocês… Vocês do Brasil, vocês do ERASMUS, vocês da Argentina! Vocês que são do mundo! (E é aí que temos encontro marcado).

Onde uma acaba, outra nova vida começa.
Então boa noite.
E até amanhã.

Comentários

Camila disse…
Minha querida portuguesa!!!
Já estamos aqui com muitas saudades de você!!
Foi um alívio ler seu texto, pois até achei que você nem odeia tanto assim São Paulo, tanto assim o Brasil. Era um ato rebelde quando você dizia que aqui não tem nada de bom!
As fotos ficaram muito legais, só estou esperando recebê-las no meu e-mail!!
Assim como você disse que ganhou amigos no Brasil, tenho a mesma sensação: a de ter uma amiga muito querida aí em Portugal!
Espero que possamos nos encontrar em algum lugar do mundo! E que seja breve!
Bjinhos!!!
Carla disse…
oh meu amori,se as coisas nao acabassem tu nao davas valor.. ainda bem k gostaste do brasil, n era essa a ideia cm k tinha ficado,daki a nd ja tas em italia e dps deves ir pa outro sitio, é mesmo assim :)
espirito_Ninja disse…
ainda bem q voltaste,fazes mais falta cá do que no brasil!!!beijaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaa
Eloi Roveri Filho disse…
Alê, dei uma geral no seu BLOG e vejo que vc esta muito bem e que tbé já se re-adaptou ao velho e bom mundo - EUROPA -, nós não esquecemos de vc ! e é claro que vc está fazendo falta; fica faltando seusssssss ESSSESSSSS por aqui, pois era sempre uma aventura tentar te entender,não que fale mau, mas depreeessssssa damaiii...ishshshs, outra diferença é que para Interlagos meu RAV-4, não volta tão cedo !!! não que lá seja ruin, ... mas cá entre nós, era longinho hein !!! , rsrsrsrsrsr !!! Alê, lembre que amanhã é o NIVER da Flá !!! bjo Eloi.

Mensagens populares deste blogue

O síndrome de Bridget Jones

Já cá estou outra vez, desculpem a demora...

Aproveito o 8 de Março para dizer que as mulheres deviam ganhar mais do que os homens