Inspirado em vocês



Tenho umas amigas que querem salvar os ursos polares e uma outra que quer resgatar o culto da escarreta! Não existe uma escala para classificar estes desígnios de revolta social, de alteração a nível universal. O importante, aquilo que conta mesmo na altura do vamos ver quem ainda pode ser feliz, é que todas queremos mudar o mundo! Os meios são o de menos, se usa roupa preta e um anel em forma de garra no dedo e quer mudar o mundo, então quer mudar o mundo! Se faz desenhos que ninguém percebe e quer mudar o mundo, então quer o mundo! Se escreve coisas que ninguém lê e quer mudar o mundo, então quer mudar o mundo! Se canta e não encanta mas quer mudar o mundo, então quer mudar o mundo! Se luta contra moinhos e quer mudar o mundo, então quer mudar o mundo!
Se pensa e acredita, se sonha e imagina, se tem ideias e não se conforma, então quer mudar o mundo!
Eu, se pudesse mudar o mundo, começava por inserir o vocábulo “escarreta” no dicionário do Word (mas de todos os Words, que no do meu já adicionei porque me estavam a irritar as ondinhas vermelhas).
E fazia computadores com orelhas para que pudessem ouvir tudo o que lhes dizemos quando nos irritam!
Pendurava o Bin Laden, o Bush e o Pinto da Costa desclaços, para quem quisesse lhes poder fazer cócegas nos pés até eles não aguentarem mais!
Depois, havia de proibir que as crianças crescessem antes da idade recomendada e remodelava toda a produção de armas para fabrico em papelão reciclável. Assim os grandes podiam brincar ecologicamente e sem se magoar!
Também mudava as moedas, entravam em circulação pedras coloridas, para toda a gente poder ter muitas. Só não poderiam ter uma cotação de correlação valor - desenho/pintura porque eu não tenho jeito para artes e a minha melhor amiga também não…
Outra coisa que fazia era desinventar o carro! Porque, se algo feito para aumentar a nossa mobilidade e ampliar a nosso tempo nos faz ficar parados horas a fio e perder, quem sabe, anos de vida no quociente final, então só pode ser uma invenção inútil. A televisão deixava estar como está, que assim faz-nos ler mais.
Reduzia o preço da água a custo zero, e descobria quem é que criou as calorias para lhe dar um raspanete e obrigá-lo a acabar com elas!
Declarava a independência de todos os prefixos telefónicos que existem no Brasil e fazia guarda-chuvas com pontas almofadadas, para ninguém arrancar os olhos a ninguém.
Colava uma flor no buraco da camada de ozono e costurava umas meias especiais invisíveis para os pés não doerem quando andamos de sapatos altos.
E pronto, vá lá, devolvia o sono aos ursos polares para a Nês e a Maga ficarem contentes e inaugurava uma ONG de suporte à escarreta para eu e a Lóló aprendermos a cuspir decentemente (como o Jack do Titanic) contribuindo deste modo para ressuscitar tradições populares.
E assim de repente, acho que seria isso, se eu pudesse mudar o mundo…

Aaaaaaaah não!!! Não é não!!!!

Porque se eu pudesse mesmo mudar o mundo, eu mudava era as pessoas!
E só então o mundo mudaria…

Comentários

Enes disse…
é uma bela lista!
mas como assim "escreve coisas que ninguém lê"?? tu lês!!!
se todos fizermos um bocadinho...=)
Enolough disse…
Eu sou amiga também!!
Este post merecia um óscar...

És genial pá! :P
Lolly disse…
lol k horror, eu n kero ressuscitar a escarreta!! axo k ela fica lindamente no escurinho da garganta profunda, onde ninguém tem de a ver ou escutar :P simplesmente achei giro ver como os costumes vão mudando, e o que era tão comum se tornou "brega" lol hj somos tão "higiénicos", com os nossos desinfectantezinhos e molhos individuais e coisas do género :P
E quem é que aos 20 anos não quer mudar o mundo? We were born too late, to a world that doesn't care... Mas nós importamo-nos e vamos fazendo a nossa pequena grande revolução dentro de cada uma de nós ;)
Beijão cheio de saudades pa minha companheira de utopias que por estas horas já deve estar neste pedacinho de terra onde começa a Europa**************

Mensagens populares deste blogue

O síndrome de Bridget Jones

Já cá estou outra vez, desculpem a demora...

Aproveito o 8 de Março para dizer que as mulheres deviam ganhar mais do que os homens