Conversas de casa de banho

É famosa a poesia de casa de banho, cujas obras, inscritas a tinta ou a corretor nas paredes ou portas dos lavabos, englobam o romântico o apaixonado e o profundo, o futebol e o ordinário, o profano e o extremamente ordinário, numa particularidade eclética sem parâmetros.
Mas na panóplia das conversas, os highlights vão todos para as conversas de elevador. As constrangedoras, as embaraçosas, conversas de elevador.
Existe porém, 1 estilo que emerge, sobretudo no ambiente empresarial, e que no entanto pouco ou nada tem sido referenciado.
Trata-se de uma corrente que conjuga os espaços da popular poesia de casa de banho com o embaraço das conversas do elevador.
Difere da primeira porque não é poema é conversa, ou silêncio às vezes, o que não deixa de ser comunicação. Com a segunda comunga geralmente a presença de um espelho mas diverge na impossibilidade de ficar parado a olhar para o tecto, ou para o chão, ou para a porta... Porque a casa de banho é 1 momento de acção! liberta-se o organismo, escutam-se e emitem-se sons que desejaríamos privados, criando uma verdadeira partilha de intimidade. Impreterivelmente fiscalizamos se os outros puxam o autoclismo, se lavam as mãos no fim, se deitam o papel no balde do lixo, sendo que por vezes os homens também tiram medidas uns aos outros.
E no fim tudo culmina com um discurso muito mais complexo e difícil que o básico "Bom dia, como está?" das conversas de elevador.
Na verdade, é ainda um enigma a essência das conversas de casa de banho e é por isso prematuro estabelecer padrões.
Como se devem iniciar? Talvez um "Bom dia, então, também veio fazer xixi?" ou será melhor um preocupado "Então, está melhor da diarreia da semana passada?". A procura da identificação também pode ser um caminho "Eu também faço poupança de água quando lavo as mãos!" e uma despedida simpática fica sempre bem "Então até à próxima vez que lhe doer a barriga ou que sentir a bexiga apertadinha!"

Em suma, as conversas de casa de banho vão dar que falar!

Comentários

Anónimo disse…
Por acaso já tinha reflectido sobre esses momentos. Dou por mim a esperar de porta fechada que a pessoa da porta ao lado saia da casa-de-banho, só para não ter que estar ali com ela a lavar as mãos sem saber se devo ficar calada ou dizer alguma coisa. dizer exactamente o q?
conversas de casa de banho são de facto estranhas =P

Mensagens populares deste blogue

O síndrome de Bridget Jones

Já cá estou outra vez, desculpem a demora...

Aproveito o 8 de Março para dizer que as mulheres deviam ganhar mais do que os homens