Cartas de Mecenato ou Shakespeare do séc. XXI?

Descobri uma coisa que é tragicamente pior que o Romeu e Julieta, pior que o Titanic, pior que as novelas da TVI e pior que as notícias do telejornal.
Essa coisa, são as cartas de pedidos de apoio de mecenato.

Recebemo-las às paletes, por correio e por e-mail, como quem recebe panfletos de publicidade ou jornais gratuitos à porta do metro. Chegam de todo o país, de instituições, pessoas singulares e escolas, de cidades, aldeias e terriolas.

Se por um lado, as cartas já são um drama inato, por outro, é ainda mais dramático excluí-las, seleccioná-las, ou apenas lê-las e sentirmo-nos impotentes.

E quais são os critérios para decidir o que é mais prioritário: a senhora que passa fome com os dois filhos pequenos, o carro dos bombeiros, as crianças que não vão ter férias, os bebés que não têm fraldas, o mini-autocarro para os surdos, as crianças que só comem uma refeição por dia (se alguém oferecer), o senhor que não tem pernas e precisa de uma cadeira de rodas (e que até mandou fotografias dele sem pernas na tal cadeira de rodas) ou o rapaz que ficou tetraplégico num acidente, obrigando a mãe a deixar de trabalhar e o irmão a deixar de estudar, para tratarem dele, porque a segurança social não dá resposta à situação?

E se o pedido vem de alguém que conhecemos, ou de uma escola que foi a nossa, ou com a assinatura de um amigo?

Mais impossível do que responder a toda a gente (era preciso ter uma pessoa a tempo inteiro só para escrever essas cartas), só mesmo ajudar toda a gente... Porque vamos lá ver as coisas como elas são: Uma empresa é um negócio, não é a Cruz Vermelha!

A tragédia intensifica-se com algo que talvez possa ser classificado de humor negro sofisticado, como sejam as instituições que existem “á muitos anos” ou a “lua contra o cancro”. Depois, há quem faça pedidos humildes do género “precisamos de um mínimo de 30.000 € por mês” ou “a vossa colaboração será de 5.000 € mais IVA” como se nós já tivéssemos dito que íamos colaborar. Não vamos. Tal como não vamos patrocinar a viagem de finalistas, nem o concerto das bandas polacas, nem o combate às “espécies exóticas invasoras” – e esta é, de longe, a minha preferida, a minha coqueluche das cartas de pedidos de apoio de mecenato!

Comentários

Anónimo disse…
mas ajudam alguma?
Lolly disse…
aproveito para informar que em breve poderão comprar as vossas cartas de pedido de mecenato via internet, num blog ainda sem nome (nem pés nem cabeça por acaso lol) mas que promete ser um ESTRONDO :D quaisquer novidades surgirão aqui, neste blog que relata a doce vida da alecas pankecas***
Anónimo disse…
Se ajudamos alguma? ah ah ah temos tipo 10 folhas do relatorio e contas só com instituições e projetos que ajuamos, alguns já há muitos anos. são milhares de euros, sim milhares de euros pa mecenato! fora ajuda em géneros, sobretudo comida. somos o maior contribuinte para as campanhas do banco contra a fome!

e sim, está para nascer um blog q vai revolucionar a internet! fiquem atentos!
Anónimo disse…
E apoio a pessoas k têm preguiça p cozinhar e k por isso s arriscam a passar fome, dão? Preciso d pelo menos 500 euros/mes e prefiro comida italiana/chinesa, ve s tratas disso sim? Obrigadinha.

Mensagens populares deste blogue

Já cá estou outra vez, desculpem a demora...

O síndrome de Bridget Jones

Um fim de ano especial, com festa no Palácio Real!