Era uma vez, em Barcelona

Quando entrei no avião olhei pela janela, e ali mesmo, da pista de decolagem da Portela, vi Itália, vi o Brasil, Vi as cataratas e vi a Argentina... que saudades que eu já tinha de sentir o couro cabeludo colado ao assento, o estremecer do motor, a agonia dos ouvidos e aquele êxtase no olhar, quando vemos que estamos a voar....



Estar em Barcelona é como estar num conto de fadas: há dragões, palácios, varandas de fantasia e príncipes (e uma loja de roupa em cada esquina que, convenhamos, é a apoteose de conto de fadas da Carrie Bradshaw que existe em cada uma de nós)!



Cheguei (por pura sorte não aterrámos no Mediterrâneo) na quarta à noite fora de horas mas "la" Maria estava à minha espera. E mesmo ela morando no Far far far away pueblo, o caminho revelou-se insuficiente para pôr em dia todas as conversas erásmicas. E aquela vez que um homem lhe roubou a toalha amarela com uma estrelinha cor de rosa nas termas? E a outra vez em que perdemos todos os autocarros? E aquela noite em que fomos a cantar pela rua e gravámos um concerto na casa de banho da discoteca? E o primeiro dia em que nos conhecemos e combinámos que eu viria vê-la a Barcelona... Ah pois foi! Y ahora mira, aqui estoy!



Na manhã seguinte, tinha uma comitiva ao pequeno-almoço com a mãe e a avó dela que são sócias do Barcelona e vão ver todos os jogos!
O primeiro impacto da cidade foi português e gigante, ao lado de uma cara, igualmente gigante, porém desconhecida dos catalãos. Refiro-me àqueles cartazes horríficos do Turismo de Portugal, com fotografias de supostas personalidades nacionais, que pousaram de graça para depois o fotógrafo Joseph Nobody INGLÊS cobrar metade do PIB pelos retratos de um mau gosto atroz. Felizmente, a minha amiga Maria nunca tinha reparado que aquilo estava, de algum modo, relacionado com Portugal...



Depois de descer o Passeio da Graça e invadir todas as lojas, almoçámos num restaurante daqueles em que os pratos são servidos estilo obra de arte. Porém, uma obra de arte realista, com comida a sério e praticamente em saldo! Sinto a boca a inundar só de pensar nesse almoço e no pão com tomate, e no pecado de chocolate, e na tarte de frutas, e nos crepes à barcelonesa,e na ternera,e nas tapas!



A tarde seguiu-se até encontrarmos o Señor Colón, no final do boulevard catalão mais conhecido- as ramblas, onde um grupo de músicos me saudou com "1 aplauso para la chica del vestido rojo!" e enquanto as pessoas me batiam palmas, eu tentava esconder-me atrás da Maria, que me chega aproximadamente ao cotovelo. O Barrio Gótico já veio com muito mais tranquilidade!



A noite foi uma festa da batata no Razmataz, não sem antes tirar umas fotos com a sex symbol Elsa Pataqui! O tour das discotecas prosseguiu, nas noites seguintes, pelo famoso Catwalk e culminou no She, com sambas, espanholadas, Greese e Gloria Gainor!



Culturalmente falando, a Sagrada família é mesmo grande, a fila para o elevador então, nem imaginam, e as velhotas que aparecem a subir as escadas em contramão e que obrigam todo um grupo de pessoas a mudar de direcção, dizendo que o fim está muito longe e que não há luz, são imperdíveis!



Mas a verdadeira catedral, que aliás ultrapassa em muito as visitas à Sagrada Família, é o estádio do Barça, o qual visitámos, em dia de jogo com a Argentina, atravessando coros e levando com bandeiras na cara.



Agora guapo mesmo guapo, é o Parc Gruel, apesar do dragão do Gaudí em azulejos de casa de banho, mas eu desculpo-te caro António, pois sei bem a tremenda pressão a que um génio está sujeito (é como eu a dobrar em 3 as cartas da Directora, há sempre uma que não fica direitinha, magana!). E como descrever Mont Juic ou a Vista do Tibidabo, mesmo em dia de chuva?



Bom, nem tudo são rosas, o metro é horrível, e se a Maria conhece chicos interessantes no comboio, a mim saem-me imigrantes ilegais e argentinos pesadossssssss!
Felizmente há o Bus Turistic, my new best friend! Só é pena a locução em português do Bus Turistic ser com a pronúncia do Norte "Camp Nau é o mÁior estádio", motivo que me redireccionou para uma visita guiada em italiano, inglês e espanhol.



Haveriam muito mais coisas para contar, mas não chega o espaço nem as palavras, é mesmo preciso ir a Barcelona!

Comentários

Anónimo disse…
Oh que lindo! E tiraste uma fotografia em cima de um leão, como em Roma =D
***
Anónimo disse…
E eu lembrei-me de ti!
Unknown disse…
Ale, trouxeste me recordações maravilhosas!!! Não há nada como aquilo que se sente em Barcelona=D

Mensagens populares deste blogue

O síndrome de Bridget Jones

Já cá estou outra vez, desculpem a demora...

Aproveito o 8 de Março para dizer que as mulheres deviam ganhar mais do que os homens