Um crime na casa de banho do balneário

Na minha última aula de dança do ventre cheguei atrasada. Entrei no balneário e dei de caras com o dono da escola*. O que é que ele estava a fazer no balneário feminino? Não sei, nem interessa, o importante a focalizar neste post é o seguinte diálogo:

Mal eu entro, o Dono da Escola (DE) fita-me nos olhos e diz:
– Esta casa de banho cheira mal!!!
Ao que eu respondo:
- Ah...
DE – Mas eu já não ponho mais perfume!
Eu – Pois...
DE – Porque eu ponho perfume e desodorizante e roubam !Levam para casa!
Eu – Roubam???
DE – Sim, roubam! Esta gente, nuca se viu! Sinceramente, pah...
Eu – Olhe, eu não roubei nada.... e não acredito que roubem...
DE – Roubam sim!!! Eu no outro dia até pus o desodorizante na sanita com uma pedra, deixaram-me a pedra, levaram o desodorizante!!! Se eu apanho a gaja que rouba parto-lhe a cara! – Dito isto, virou-se numa semi pirueta e efectuou uma saída triunfal e elegante.

Eu só espero que tenhamos ficado esclarecidos em como eu não estou de nenhum forma relacionada ao misterioso desaparecimento dos desodorizantes e perfumes que o senhor mete na sanita, encarcerados a pedras. E recuso-me a acreditar, que haja mesmo alguma “gaja”, pelo menos das nossas aulas, que se dedique ao roubo de produtos de higiene da casa de banho do centro de dança!

*para mais referências sobre o dono da escola vêr post “Aulas de dança do ventre em 3 posts – 2ª lição”

Comentários

Margarida disse…
Pedras?? Sim, é a melhor solução, como é que nunca se pensou nisso? Na minha escola não havia nem papel higiénico nem sabão na casa de banho, porque as pessoas roubavam!! Nunca se devem ter lembrado de pôr umas pedrinhas em cima...

Mensagens populares deste blogue

O síndrome de Bridget Jones

Já cá estou outra vez, desculpem a demora...

Aproveito o 8 de Março para dizer que as mulheres deviam ganhar mais do que os homens