O lado VIP do Rock in Rio

No último post fui irredutível quanto ao meu parecer sobre o Rock in Rio – “Eu (nunca mais) vou”.
Mas a promessa não durou sequer 24 horas e no dia seguinte fui, outra vez!
Agora estou inclinada a abrir uma secção como aquela do “Público errou”. De facto, a Dolce Vita errou: há toda uma outra realidade do rock in rio quando temos bilhetes VIP e a Amy Winehouse não faz parte do cartaz!



Às 7 da tarde em Oeiras, a ver o “emocionante” Portugal – Geórgia com os amigos e o telefone toca. Dr. Frederico Machado (o meu coordenador) a chamar. Oh não, isto não pode ser bom… “Olá Alexandra, precisamos que venhas trabalhar no fim-de-semana.” “Então?” (meeeeedo) “Houve uma desistência e temos um bilhete a mais para o Rock in Rio, queres vir?”.
Dali a pouco já estava na zona do Estádio de Alvalade reservada para os passageiros do shuttle VIP.
Porque quando se recebe um bilhete num envelope preto que diz VIP, não há filas para entrar no recinto, nem se caminha na procissão que parte do metro da Bela Vista.
O autocarro é da Mercedes e pára praticamente à porta da tenda. Nessa mesma tarde, eu tinha visto um directo na SIC Radical sobre a tenda VIP. Vi o espaço, os tabuleiros da comida, a decoração super fashion, os sofás, os ecrãs e a varanda ao estilo camarote real, enquanto a apresentadora ia dizendo que aquela seria a única vez que a deixariam entrar lá dentro. A última coisa que me passou pela cabeça foi que nessa mesma noite, eu estaria lá dentro, a comer daqueles tabuleiros prateados e a ver Bon Jovi do “camarote real”.



O mês passado eu já tinha estado na tenda VIP da Semana Académica de Faro mas, sem querer desdenhar, porque estava tudo muito bem, a tenda VIP do Rock in Rio é outra experiência, sobretudo no que toca à casa de banho! Enorme, com espelho e lavatório estilizados e vários compartimentos, com empregadas de limpeza permanentes para garantir que cada um deles está impecável! Isto sim é saneamento básico! O que ambas as tendas comungam é a ausência de presenças verdadeiramente VIPs. Mas vá, na tenda VIP do Rock in Rio ainda se vêm alguns actores dos Morangos com Açúcar e há câmaras da SIC e fotógrafos da Caras! E eu ia jurar que, no fim da noite, vi o Deco a passar, rodeado de guarda-costas e paparazzi, será possível?
Dentro da tenda vip há uma tenda hiper vip (de onde saiu o suposto Deco), mas o meu bilhete já não era suficientemente vip para dar acesso a esse espaço! Tantas revoluções e afinal a segregação de classes parece estar no seu auge em pleno séc. XXI! Moving on… a comida era acessível a todos (os “VIP”) sem grandes filas. E não eram cá hamburgers nem sandes, era slow food da boa! E sobremesas e or d’oeuvres, tudo de graça! O bar era aberto, estilo hotel com tudo incluído no Brasil, a diferença é que a vista da varanda dava para o Alejandro Sanz e depois para o John Bon Jovi! E que lindo que ele é! Deu duas extasiantes horas de concerto, onde público e banda eram um só! E oh, ele canta mesmo! E oh, quando ele fala connosco percebe-se o que ele diz! E oh, ele pula e dança e desce à plateia e nunca perde o equilíbrio! Porque para quem viu Amy Winehouse na noite anterior, estes detalhes são uma autêntica surpresa!





Surpresa maior só mesmo quando a minha chefe com as suas connections nos incluiu num tour verdadeiramente exclusivo, primeiro pela reggie da SIC (o ponto mais próximo do palco) e depois até aos bastidores!



“Alexandra. tu dispara flahses para todos os lados!” dizia-me a Mariana. Perdemos a compostura e começámos a tirar fotografias incessantemente, parecíamos aquelas pessoas que se aglutinam na rua de máquina em punho à espera que passe o autocarro da selecção. Mas a ocasião justificava! Quantas vezes é que se sobe ao palco mundo do Rock in Rio? Sim, porque nós esticámos a perninha e pusemos o pezinho no próprio do palco, minutos antes de Bon Jovi entrar! Aliás, os nossos pezinhos e movimentos de soslaio despertaram mesmo alguns aplausos e gritos nas primeiras filas! Ah ah ah ah, pensaram que éramos os Bon Jovi! Temos pena!



De frente para essa multidão a perder de vista, o cenário é um quanto ou tanto assustador, mas inesquecível! E vimos as guitarras dos Bon Jovi a passar! Só faltou mesmo vermo-los a eles, mas os camarins foi outra área à qual, para grande tristeza minha, não tive acesso…



Claro que da varanda da tenda VIP o que se vê é um John Lindo Jovi muito reduzido e as pessoas têm vergonha de cantar e dançar (nós não, aliás, quem nos viu a "interpretar" o Corazón Partido do princípio ao fim de certeza que achou que somos super fans do Alejandro.) Mas acabámos por descer para o meio da multidão porque como diz a nossa Ivete “melhor ainda é pular no meio do povo”!
No regresso, fui directamente transportada por um daqueles autocarros que na noite anterior, embrenhada na massa, eu olhava com inveja. Sentadinha à janela, vi os meus olhos em cada cabecinha que se virava para ver passar os “Vips”.

Há sempre dois lados. O bom é estar no meio!

Comentários

Unknown disse…
Que sortuda que tu és!!!;)
Anónimo disse…
Como é que estas coisas só te acontecem a ti?!? Há mesmo gente que nasce virada pa lua...

Mensagens populares deste blogue

O síndrome de Bridget Jones

Já cá estou outra vez, desculpem a demora...

Aproveito o 8 de Março para dizer que as mulheres deviam ganhar mais do que os homens