Domingo-feira

Quem não tem férias tem que aproveitar bem os fins-de-semana. O problema é que quando chega a segunda-feira, o mecanismo biológico exige que seja domingo e insiste em manter-se indiferente ao despertador.



O convite era para a festa de aniversário da Blitz no Maxime. Sendo a Blitz uma revista de música, imaginava-se (imaginei eu) que os profissionais da área estivessem presentes (cabeça a minha, esqueci-me que estão todos de férias no Algarve!) e que seria uma coisa com glamour...



Foi um espectáculo de cabaret com striptease, pin ups e chupa-chupas. E homens bêbedos de camisa aberta, exibindo pelos pujantes onde a cruz do fio de ouro se perdia... e vai mais uma bebida do bar aberto para a Fátima entornar! Os copos acumulavam-se na mesa redonda, e ela ia derrubando-os um a um, como se valessem pontos - “Cuidado Fátima!” - tarde de mais, mais um strike de vodka ananás em cima do vestido da Margarida.



Mas o cabaret foi uma experiência diferente, eu diria mesmo única, divertida e de graça! E a Fátima nem entornou nenhuma bebida em cima de mim, vou reclamar do quê?
O único defeito foi ter acabado muito cedo. Duas ou três da manhã não são horas decentes para se voltar a casa numa Sexta à noite! Vamos para a festa da rentrée do Nuts? Bora!
Nós fomos... mas fomos as únicas! Bem, as únicas unicamente não, estavam lá alguns ilustres morangos com açúcar e o Gonzo! (Só para eu não ficar desiludida por não ter visto ninguém da especialidade musical no Maxime). Mas pelas 4 o dancefloor já estava por nossa conta, não obstante, a garra dos nossos passos esteve digna de um “Dança Comigo” ao mais alto nível!



No Sábado fez sol, mas eu preferi o escurinho do ensaio geral no Teatro Ibèrico em vez da praia (estou até agora a tentar convencer-me de que foi uma boa escolha).
À noite, Belém agitou com a Chivas sailing party. Segundo consta, é uma festa muito badalada nas verdadeiras camadas vips (que são aqueles que aparecem no Diário Económico e não na Caras). O que é que eu estava lá a fazer? Boa pergunta... Ofereceram-me o convite na empresa “Vai o pessoal todo que tem iates”, disseram-me. “Mas eu não tenho nenhum iate! Eu tenho uma casa no Algarve mas é em Faro não é na Quinta do Lago!” “Mas o importante é teres o convite, ninguém vai para lá com o iate de baixo do braço”. E assim lá fui, sem iate, sem amigas (aparentemente Sábado à noite é dia de ficar em casa com os namorados, essas coisas chatas que só atrapalham) mas com convite e em boa companhia!



Domingo foi a vez do espectáculo de dança que se revelou uma autêntica maratona com direito a peitos esvoaçantes e desentendimentos com as autoridades da lei. Mas isso é outro post...

Comentários

Margarida disse…
Nessa noite da blitz e do nuts, quando cheguei à estação, o luís disse que eu cheirava a vagabundo... a vagabundo??? Que sexy, não é?
Margarida disse…
E já agora, não era suposto ser SÓ Sa inês a aparecer mal em fotografias???
Fátima disse…
LOLOLOL tou FARTA de me rir com isto. ahaha LINDO. a Fátima a entornar copos... epá eu já SÓBRIA sou desastrada... sorry Margarida...fiz-te cheirar a vagabundo... hahaha... mas ADOREI! foi mesmo giro =) é para repetir!
Ale disse…
n cehiravas nada a vagabundo! era vodka ananás q a fátima derrubou em cima de ti! isso é o teu namorado com inveja da grande noite que nós passámos, enqt ele fazia o k? jogava computador com os amigos? baaaaaah!
da próxima vez q ele te disser isso responde-lhe ele cheira a Nerd!
a vagabunda e o nerd, isso sim é uma combinação explosiva!
Ale disse…
fátima, da próxima vez levamos-te ao bowlling que eu denotei ali um certo talento reprimido!
Fátima disse…
eu faço strikes sem querer no bowling! haha vamos!

Mensagens populares deste blogue

O síndrome de Bridget Jones

Já cá estou outra vez, desculpem a demora...

Aproveito o 8 de Março para dizer que as mulheres deviam ganhar mais do que os homens