"Gelados não conta"



Eu tenho uma amiga que se rege pelas leis da alimentação saudável. Come de 3 em 3 horas e come coisas sem graça que é como quem diz sem gorduras (ela costumava levar maçãs para a faculdade). Faz sacrifícios de quaresma e evita veementemente fritos e açúcares.
Ora qual não foi o meu espanto quando, certo dia na praia, a escuto dizer “Sim, mas gelados não conta!”.
Como assim gelados não conta? Não conta como doce? Como mais um pneu/grama de celulite? Não conta como pecado no imaculado regime que sustenta esta minha amiga? Não precisei ouvir mais nada. A frase, vinda de quem vinha, tinha validade por si própria sem requerer qualquer posterior explicação.

“Gelados não conta” é hoje uma verdade dogmática basilar na minha existência (mesmo com a descarada inconcordância sujeito-verbo).
Vivo feliz com a minha nova teoria desprovida de quaisquer bases positivistas, não obstante, foi com prazer que, na rubrica “Bem-Estar” da ÚNICA, li a seguinte notícia “Coma gelados pela sua saúde”.
E não, não era uma publi-reportagem paga pela Olá!

Em uma página descobri que os gelados foram inventados pelos chineses (o que, confesso, me causou alguma decepção já que assim os gelados italianos não passam de uma falsificação!) e que são uma maneira de ingerir vitaminas, sais minerais e cálcio.
Não fazem mal à garganta nem dificultam a digestão.
Têm a mesma porção de sacarose que 1 iogurte de fruta - tradução: não são ricos em açúcar. Mas não é sequer preciso que sejam gelados de fruta, os de chocolate (os meus predilectos) “estimulam o sistema nervoso central e protegem o organismo da acção dos radicais livres graças aos flavonóides que trabalham como antioxidantes.” E para aqueles que, como eu, tendem ao cepticismo perante argumentos deste tipo, em que se desconhece o significado de pelo menos 3 expressões, a machadada final do artigo é irrefutável: investigadores britânicos conseguiram demonstrar que o consumo de gelados faz as pessoas mais felizes!
E cá está o tal positivismo que a nossa sociedade não dispensa! Não interessa quem são os cientistas, onde estudaram, como descobriram nem se fizeram testes em animais. A informação relevante é sem dúvida o serem cientistas britânicos (porque isso confere logo um certo estatuto às descobertas) e o facto de que as pessoas devem comer gelados não só pela sua saúde, mas também, pela sua felicidade!!!

Pois é meus caros, “Gelados não conta!” MESMO!

Comentários

Anónimo disse…
eu li esse artigo hoje!! e pensei exactamente nessa pessoa que sempre diz "mas gelados não conta". achava boa a teoria, apesar de não acreditar mesmo nela. mas agora, depois de subscrita pela nutrucionista, agora é que não conta mesmo!
Margarida disse…
Claro que não! Sobretudo se se tratar de um Magnum Double de Caramelo...
Fátima disse…
ahaha. também vi isso :P a Marina tem razão

Mensagens populares deste blogue

Já cá estou outra vez, desculpem a demora...

O síndrome de Bridget Jones

Aproveito o 8 de Março para dizer que as mulheres deviam ganhar mais do que os homens