A última sexta-feira

Durante a próxima semana espero que ninguém me pergunte o que faço da vida. Porque não faço nada. Ainda não voltei a ser estudante mas também já não posso dizer, de boca cheia, trabalho no departamento de Comunicação daquele Grupo. Agora, na verdade, estou desempregada…

Segunda-feira a semana está sempre longe de acabar. Mas depois passa rápido. Esta Sexta não chegou mais depressa nem mais devagar do que as outras. Mas eu não a queria tanto como às outras. Porque esta era a última. E eu sabia que ia chorar.

Levei um bolo de brigadeiro para tentar amenizar a despedida. Afinal, não foi propriamente uma vida de trabalho... Foi quase um ano e não foi mais porque eu não quis. Convidaram, insistiram, mas eu queria outra coisa. O Senhor Santos disse que eu era muito corajosa de ir embora assim, não obstante ser uma pena. Disseram que iam ter saudades, que me desejavam toda a felicidade, que tinham adorado trabalhar comigo, que ia deixar corações aprtidos e que o bolo era muito bom, muito bom mesmo!

A senhora dos Jurídicos está desconsolada porque me vou embora sem ter conhecido o filho dela, para quem ela decidiu que eu era a namorada ideal!
Ao almoço quis dizer “este é o meu último almoço aqui com vocês…” mas estavam a discutir a crise a as perdas de 20% da bolsa em apenas uma semana. Então disse só para mim, olhei em volta e comi a minha mousse de chocolate com nostalgia.

Às pessoas de quem eu mais me queria despedir, disse só adeus, até sexta, porque temos um almoço marcado. Queria ter dito tanta coisa mas não conseguia olhar para elas sem chorar. Não foi uma empatia de primeiro dia, mas transformou-se numa relação de todos os dias, dos dias em que eram as únicas pessoas com quem falava. Até criámos uma gaveta comunitária de pastilhas elásticas!
Olhares cúmplices por cima do ecrã do computador, como se fossemos amantes. Telepatias que desencadeavam sorrisos de esguelha, ou coisas feitas sem ser preciso dizer. E as eternas lutas pela possa da Visão à quinta-feira.
Conversas sobre a chefia, indispensáveis para a salubridade de qualquer ambiente de trabalho, e fofocas em geral, igualmente determinantes para o bom desempenho profissional. Como não tínhamos janelas, éramos um pouco as janelas uns dos outros. E eu vou sentir falta dessas vistas. Ai vou!

Tivemos momentos de plena excursão de grupo pela maionese, momentos tensos e de crise, com gritos e gravatas apertadas, momentos de atirar as bolinhas anti-stress pelo ar, de cantar, de dançar, esperando que ninguém entrasse. Ouvíamos, contávamos, dávamos a nossa opinião. Espreguiçávamo-nos. E dizíamos “vou fazer xixi”. E o Frederico suspirava, ele não gostava de saber desses detalhes.
Éramos uma equipa à séria!

Arrumei a secretária como “à americana”, metade para o lixo, outras tantas coisas para casa comigo, não sei bem para quê se para alguma coisa de todo. Mas sei que estes 11 meses foram o que se chama de “uma grande experiência”, embora eu ache a expressão demasiado científica para calcar todas as lições e emoções implicadas no processo. Cresci. (Talvez assim seja mais explícito).

Tudo se podia ter resumido a mudanças de hábitos pontuais: passar a ouvir as informações sobre o trânsito, deixar de usar calças de ganga no dia-a-dia, começar a ler as notícias de secção de economia e a prestar atenção ao Psi20. Felizmente, o que mudou e o que ficou e mim, foi muito mais.

Comentários

neuza disse…
oh pah que lindo! :') Pode-se dizer que aumentaste bastante a tua bagagem!
Não fiques triste, pensa no que virá. Eu e a Rita cá te esperamos, na casa da "família Urso" :p penso que 2ª feira mudo para lá! Estou ranhosa e a começar trabalhos, a Rita está com dor de garganta e hoje o tempo está nublado, mas quando chegares, fazemos uma festa! =)
biju*
Camila Ciberi disse…
Querida!! Muito boa sorte nesta nova fase.
Tem uma frase de um escritor francês que diz que toda mudança traz melancolia, pois deixamos um pedaço de nós para trás.
Aproveite e deixe muitos pedaços para trás, só assim percebemos o quanto crescemos e quem realmente somos!!
Um pedacinho seu está aqui comigo no Brasil! ;)

Mensagens populares deste blogue

Já cá estou outra vez, desculpem a demora...

Aproveito o 8 de Março para dizer que as mulheres deviam ganhar mais do que os homens

Um fim de ano especial, com festa no Palácio Real!