Roubada sim, desconfortável nunca!

O local é amplamente conhecido, até o condutor do camião do lixo já nos tinha dado a localização exacta. Por falar em camião do lixo, passam muitos mais desses do que carros da polícia.
Uma Quinta-feira à noite nas ramblas e apenas um carro da guardia de segurança contabilizado.
Entende-se perfeitamente, afinal há prioridades clara sobre o patrulhamento das ruas de maior movimento nocturno de Barcelona. Como socorrer todas as chamadas telefónicas de vizinhos incomodados com alguma festa de estudantes ou passar multas e chamar gruas para rebocar carros mal estacionados.

A entrada do local é concorrida, não há segurança à porta mas o recepcionista pede com altivez que as pessoas se afastem e aguardem a sua vez. O processo segue por senhas, como se estivéssemos na fila para pedir 200 gramas de queijo manchego e um jamon ibérico (às 3.30 da manhã).
A sala de espera é ampla e confortável, já prevendo a grande adesão do público, na sua maioria estrangeiros, bem como a morosidade do serviço, com apenas um funcionário (e em slow motion por sinal) para atender todos os “pedidos”.
O ar condicionado está no Caribe e, provavelmente por isso, o kitkat da máquina de bolachas, chocolates e batatas fritas, é mole. Mas há que salientar a existência de uma máquina de bolachas, chocolates e batatas fritas! A televisão (outra saliência a não deixar em branco) passa algum filme em espanhol (também não se esperaria outra coisa). Há um quadro electrónico onde os números das senhas avançam, ou avançariam, se a geringonça funcionasse.
Nascem conversas de circunstância (em idioma a definir):
- Então também foram roubados?
- Sim, máquina fotográfica e dinheiro.
Outros estão embriagados de mais para saberem ao certo o que lhes levaram e a verdade é que estão sentados, felizes e sorridentes, enquanto a cubana, o italiano e a colombiana já dormitam nas cadeiras. Claro, podemos esperar sentados…
À saída (uma hora depois da entrada) um oficial pergunta “Qué tal?”
Pois bem, muito bem, aliás, alguém que acaba a noite na esquadra não pode estar nem um estado de ânimo a menos que SUPER BIEN)!

Na minha quarta incursão a uma instituição de segurança pública, desta vez acompanhando uma amiga a quem roubaram a carteira num bar sem que ela se percebesse, a conclusão é incontornável: podem-nos ter levado tudo, mas a secção de mossos d’esquadra das ramblas Nº 43, assegura-se de que não nos falte nada!

Comentários

Mensagens populares deste blogue

O síndrome de Bridget Jones

Já cá estou outra vez, desculpem a demora...

Aproveito o 8 de Março para dizer que as mulheres deviam ganhar mais do que os homens