Jet lag de tendências



Quem regressa a casa vindo do estrangeiro traz sempre algo mais do que quando partiu. De preferência, algo mais para causar sensação.
Uma história divertida para contar, algumas palavras novas mal pronunciadas, mas que deixam sempre toda a gente muito impressionada, souvenirs para que ninguém se esqueça de que ele foi viajar (nem de lhe trazer uma prenda na próxima viagem) e a típica frase dogmática que perdurará por toda a vida “Porque lá/em/lá em…” era assim.
Desta vez, eu trouxe uma flor de Barcelona. Uma flor para o cabelo!
“Porque lá em Barcelona” a minha flor para o cabelo era um sucesso declarado. Um acessório na moda mas não demasiado visto, que recebia atenção e elogios de toda a gente. E quando digo toda a gente incluo desde raparigas catalãs até senhores irlandeses de meia idade, passando por rapazes australianos, amigas minhas de Londres ou da Argentina e o meu próprio chefe. Para quem a mais bela harmonia estética consiste numa garrafa de cerveja fresquinha.
E eu lá vim, cheia de orgulho, com a minha flor para Portugal, convencida de que ia ser o meu “algo mais” - sensação garantida. Quem sabe até, lançar uma nova moda!
Não demorou muito, foi logo na primeira noite, para eu perceber que já vinha tarde no que toca a lançar novas modas. A moda da flor da cabeça já está mais lançada que os satélites da NASA e amplamente implantada e visualizada por todo o país.
Parece que estamos a receber uma exposição itinerante dos Jardins Boboli patrocinada pelo João Rolo!
A sensação é que são de todas as cores e tamanhos, umas horríveis outras só menos feias. Umas bem colocadas outras vergonhosamente plantadas e com proporções exageradas.
Para onde quer que olhe, há sempre alguém com uma flor na cabeça. O que mais me corrói por dentro nem é tanto a quantidade mas a qualidade! É quando são pindéricas com flores na cabeça. Porque isso é tão cruel como meter batatas fritas de pacote em cima de uma pizza de forno de lenha (ou de pedra vá)!
Com tantos canteiros capilares a pulular por este Verão, tornou-se simplesmente foleiro andar com uma flor na cabeça.
Sensação de ridículo. Voltei a arrumar a minha na mala.

Amanhã parto para a Grécia e posso apenas esperar que em Creta a minha flor retome os seus tempos de glória.
Ah, e claro, arranjar algo fabuloso, nem que seja um muito obrigado em grego (que eu depois arranjarei uma forma fabulosa de pronunciar) para arrasar no meu regresso a Barcelona.
Porque isto de viajar por aí não é nada fácil, há que saber lidar muito bem com a pressão e o jet lag, que não é só nas horas...

Comentários

i disse…
bem, isso se calhar é assim em faro, mas em lisboa não dei conta de nenhuma moda de flor no cabelo
Tracey disse…
eu gosto das florzinhas...mas acho que não tenho perfil :P

Mensagens populares deste blogue

Já cá estou outra vez, desculpem a demora...

Um fim de ano especial, com festa no Palácio Real!

Aproveito o 8 de Março para dizer que as mulheres deviam ganhar mais do que os homens