Texto e imagem contam a história de um beijo



Diz o sapato cor de rosa à sapatilha desbotada:
- Não combinamos nada!
- Mas andamos tão bem juntos que as lantejoulas do vestido quase não se importam.
- São cá umas arrogantes essas lantejoulas! Sempre a chamar a atenção, sempre a brilhar mais que os outros!
- Eu não gosto de lantejoulas…
- Eu também não! Gosto de flores e lacinhos e desejos de coisas impossíveis. Por isso é que os saltos altos dão mais jeito, para guardar tudo.
- Tudo menos os beijos. Guardar beijos é um desperdício atroz. Um beijo guardado pode ser um sorriso perdido. Um daqueles sorrisos grandes e rasgados, daqueles que extravasam os lábios e obrigam os olhos a cintilar como quando escutam desejos segredados.
- Não te sabia com cordões tão românticos...
- Vá, não me faças desabotoar… no fundo é uma questão prática: um beijo guardado não é reutilizável nem reciclável. Basicamente, não serve para nada. Não foi, já era! É tão inútil como os dentes do siso e, em alguns casos, pode chegar a ser mais incomodativo. Porque passa logo do prazo. Não adianta congelar. Não pode ir ao micro-ondas. Enfim, uma chatice!
- Mas e se o beijo for mal dado ou for do tamanho errado? Não é melhor esperar até ter a certeza? E depois, o que é que as lantejoulas iriam dizer?
- As lantejoulas iam descoser-se de inveja!
- Oh, cala-te!
- Cala-me com um beijo! O que é que te custa?
- Olha que sola que tu tens para me pedir um beijo assim, sem vergonha no laço! Pois fica sabendo que os meus beijos são caros sim senhor, são de marca!
- Vende-os então, eu compro! Mas não os guardes, não fiques com eles só para ti porque isso é demasiado cruel.

O sapato cor de rosa, embaraçado, acaba por tropeçar nos seus próprios pensamentos.
Para quê? Para quê guardar um beijo afinal? Se não foi dado nem sequer é especial...
Meio sem saber o que fazer, põem-se no biquinho do pé e sussurra à sapatilha:
- Fecha os olhos.

A sapatilha desbotada obedece.
Então, o sapato cor de rosa beija-a suavemente, com a sua sola perfumada a flores do jardim e pedras da calçada.

E as lantejoulas descosem-se de inveja.

Comentários

neuza disse…
Acho que se é para escreveres textos assim, vale mesmo a pena esqueceres-te de ir tomar banho ;) tá lindo! E a foto (que gosto especialmente) é a cerejinha no topo do bolo!
Anónimo disse…
fez-me lembrar o filme que fizemos na faculdade, o das mãozinhas - lembras-te? lol

cheira a love in the air.....será da primavera? ;)
Lolly*
Ale disse…
vamos esclarecer as coisas eu só me esqueci temporariamente de que tinha de ir tomar banho, depois fui! q é pa ng pensar ah olha aquela que escreve txts bonitos mas cheira mal...

e lembro-me do filme das mãos sim senhora, o grande orgulho do nosso amigo pedrólis! ;p
m primavera amiga? a semana passada nevou no meio da cidade!!
Anónimo disse…
tenho estado a ler os teus textos =p sao muito interessantes, gosto da tua escrita, tao tenho gostado muito de os ler =)

eu tenho o sonho de escrever um livro um dia lool entao é sempre bom ver alguem que sabe escrever tao bem =)

pronto, so para dizer muito bommm
Lolly disse…
aposto que estes sapatos partilhavam um amor adolescente ;)
Bruno Leal disse…
olá! eu também descobri o teu blog agora através do face da tua amiga inês. Primeiro uma fotografia gira, depois palavras que a fizeram esquecer. Vou adicionar à minha lista de blogs, que desleixadamente vou colocando no meu, para que quem me lê possa espreitar também. Espero que não te importes.

Mensagens populares deste blogue

O síndrome de Bridget Jones

Já cá estou outra vez, desculpem a demora...

Aproveito o 8 de Março para dizer que as mulheres deviam ganhar mais do que os homens