Quando os 25 são 24

Sinto-me ultrajada. Lembro-me bem quando, nessa aula de economia da Universidade, o Professor perguntou se alguém sabia em que ano Portugal tinha entrado na União Europeia (juntamente com Espanha). A turma respondeu em uníssono e com convicção “86!”. O Professor ficou surpreendido e nós, todos sorridentes e orgulhosos pela nossa jovialidade, explicámos “Foi o ano em que nós nascemos!”.
Ora se não me falham as contas, e note-se que eu tenho mantido um registo celebrativo anual da ocasião, este ano eu vou completar 24 anos. Vinte e quatro e não vinte e cinco. Portanto, qual não é o meu espanto quando ligo a televisão para ver as notícias e me deparo com os 3 canais a reportar a celebração dos 25 anos da adesão de Portugal à CEE. E de Espanha também! Está ali o senhor o Zapatero a discursar, alinhado com Sócrates, Durão Barroso e Cavaco Silva. Estão todos no Mosteiro dos Jerónimos.
Eles e um pequeno pódio para discursar onde se lê “1985” como a data da inclusão de Portugal. Afinal não se enganaram a contar… Mudaram a data! Mudaram a história! Mudaram a data e a história e ninguém deu por ela. Pelo contrário, todas as caixas de texto que aparecem nas peças televisivas, todos os pivots e todos os repórteres em directo, vincam com rigor os “25 ANOS”.
A mim não me demove o que digam as televisões nem os Presidentes. Até podia vir cá o Papa outra vez que eu não ia mudar de opinião. Argumentos protocolares de assinaturas ou aprovações não me convencem. Eu também comprei os bilhetes para vir a Portugal na Páscoa mas chegar, chegar, só cheguei esta quinta. Logo, só estou em Lisboa há 2 dias e não há 2 meses!
Eu mantenho-me fiel à informação que li no livro de história e que o meu professor da Universidade corroborou. A entrada de Portugal e de Espanha na UE foi em 1986 e, como tal, só faz 25 anos em 2011.
E a wikipédia está comigo! Fica aqui a citação para que não se pense que sou alguma niilista lunática e solitária.

“…O Tratado de Paris, assinado em 1951, estabelecendo a Comunidade Europeia do Carvão e do Aço, e os Tratados de Roma, assinados em 1957, instituindo a Comunidade Económica Europeia e a Comunidade Europeia da Energia Atómica ou Euratom, foram assinados por seis membros fundadores: Alemanha, Bélgica, França, Itália, Luxemburgo e Países Baixos. Depois disto, a UE levou a cabo seis alargamentos sucessivos: em 1973, Dinamarca, Irlanda e Reino Unido; em 1981, Grécia; em 1986, Portugal e Espanha; em 1995, Áustria, Finlândia e Suécia; a 1 de Maio de 2004, República Checa, Chipre, Eslováquia, Eslovénia, Estónia, Hungria, Letónia, Lituânia, Malta e Polónia; a 1 de Janeiro de 2007, Bulgária e Roménia.”

Comentários

tracey disse…
ainda bem que não sou só eu! pensava que estava louca. 1986! a minha mãe também estranhou, e muito. será que se enganaram todos, ou foram os livros de história?
ruitio disse…
Portugal é membro de facto da União Europeia desde 1 de Janeiro de 1986, após ter apresentado a sua candidatura de adesão a 28 de Março de 1977 e ter assinado o acordo de pré-adesão a 3 de Dezembro de 1980.
-Não tenhas dúvidas: os politicos não festejam o dia 1/01/1986 como seria normal, mas sim a data em que ELES assinaram as papeladas. Nas suas brilhantes cabecinhas esse é que é o momento importante, e as TV´s são meros megafones da seita.

Mensagens populares deste blogue

Já cá estou outra vez, desculpem a demora...

Aproveito o 8 de Março para dizer que as mulheres deviam ganhar mais do que os homens

Um fim de ano especial, com festa no Palácio Real!