A maldição do sushi



Já não me lembro quando é que o sushi se fez moda obrigatória na cultura ocidental. Mas acho que já foi há tempo suficiente para ser substituído por outro prato asiático. Sei lá, caril de frango por exemplo.
De facto, não prestei atenção quando começaram a proliferar os restaurantes japoneses. Porque é que haveria de prestar? Desde que tive que ir para as urgências com uma espinha entalada na garganta que se gerou uma certa animosidade entre mim e o peixe. Cru então, é preciso muita força de vontade. Por isso é que lhe dão nomes fofinhos, tipo sashimi, e o fazem todo design da alta cozinha. Sim. O sushi é bonito. Mas continua a ser peixe cru. E quem vai comer sushi continua com fome. E misturar-lhe algas e outras coisas não comestíveis só o torna mais repugnante.
A única maneira de eu comer sushi seria uma lasanha ou uma pizza de sushi. E evidentemente que estamos a descartar os pauzinhos, que são muito úteis sim senhor, para meter na cabeça a prender o cabelo. Infelizmente a minha opinião não é partilhada por muita gente. Aqui em Barcelona o sushi manda e comanda. Os restaurantes de sushi são o hit e as discotecas servem sushi à primeira hora. Toda a gente sabe comer com pauzinhos. Conjectura que me conduziu a uma cena lamentável: aniversário de uma discoteca imensamente badalada, convite especial para jantar, choque frontal com um buffet de sushi. Entre o não como e desmaio a meio da noite e o vou ter de comer sushi, eu até preferia a segunda opção. Principalmente porque havia salmão. Eu adoro salmão fumado! Pequeno detalhe: eu não sei comer com pauzinhos. E ali no meio do chique e do champanhe não podia pedir talheres. Seria excomungada das festas de Barcelona se esta minha incapacidade viesse à tona. Ainda por cima havia fotógrafos. Passaria a ser vista como uma farsante do requinte, uma campónia.
Lembrei-me da minha irmã. Ela não usa saias nem vestidos, nem saltos altos, nem maquilhagem, mas ela sabe comer com pauzinhos. Tenho que lhe pedir, urgentemente, que me ensine!
Entretanto vou manter a compostura, sorrir, molhar os pauzinhos neste liquido castanho onde molham o sushi para fingir que comi. “Como estava o sushi” perguntou um dos organizadores da festa “Delicioso” respondi com um grande sorriso, num intercâmbio de olhares com uma super modelo que estava sentada ao meu lado. Ela era a única que sabia que eu não gostava de sushi. (Mas não lhe contei que não sabia comer com pauzinhos).
E de repente apareceu um oásis numa travessa: mini espetadas de frango! Estou salva! Estou salva!
Enfardei, com a devida elegância, tantas mini espetadas quantas pude.
E o mais irónico é que, na continuada ausência de talheres, as comi com a mão/ a arrancar a carne do pau com os dentes...

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Já cá estou outra vez, desculpem a demora...

Um fim de ano especial, com festa no Palácio Real!

Aproveito o 8 de Março para dizer que as mulheres deviam ganhar mais do que os homens