Uma profissão de risco

As pessoas andavam chateadas. Por causa da crise, do trânsito, do frio, do desemprego, do trabalho, da sogra e do filho que não pára de chorar. E de repente ilumina-se a luz ao fundo do túnel. Fim de semana com 3 dias de prolongamento! Segunda e Quarta é feriado, terça faz-se ponte. Foi um massivo comprar de viagens e fazer as malas. A alegria voltava a cara dos espanhóis na mesma semana que se acendiam as luzes de Natal pelas ruas.
Então um bando de marmelos pensou: o que é que era mesmo fixe para irradiar o espírito de Natal e fazer com que toda a gente voltasse a estar chateada?
Greve. Greve dos controladores de voo! Esses fofos.
Pois é, numa de vamos lixar a malta e o Zapatero, os controladores de voo não pensaram duas vezes: querem ir viajar? Pois vão ficar a querer e a dormir no aeroporto. Crueldade pura e dura, eu diria.
Mas funcionou. Caos, estado de crise declarado e gente muito, muito chateada. (E o F.C. Barcelona que teve de apanhar o AVE e ainda não se sabe se vai chegar a tempo ao jogo em Pamplona).
Agora até a beleza das luzes de Natal vai passar despercebida.
Ser controlador do tráfego aéreo não exige um curso da Universidade, nem um master, nem 3 anos de experiência. E também não se concebe como uma profissão de risco. Até ao dia de hoje. O dia em que conseguiram pôr um país inteiro com pensamentos homicidas contra eles.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Um fim de ano especial, com festa no Palácio Real!

Já cá estou outra vez, desculpem a demora...

O melhor plano de fim de semana (e vai daí talvez não)!