A didática da maquilhagem

Como um iphone S4 lhe pareceu ao meu príncipe pouco presente para celebrar o nascimento de Jesus, ele ofereceu-me também um curso de maquilhagem individual da M.A.C. com um vale de 50€ em produtos. Fui lá disfrutar esta semana e o que é que me acontece? A meio da sessao de maquilhagem, estrategicamente colocada na entrada da loja com vista à Rambla, um carro procede ao atropelamento de uma moto. A maquilhadora grita num salto de pânico (ainda bem que nao me estava a pôr o eyeliner se nao poderia ter-se dado um segundo acidente) e esquece-se completamente do meu olho a dois tons e meio de sombra. As pessoas começam a aglomerar-se em volta da moto, sacam dos telemóveis para pedir ajuda, as outras funcionárias da loja juntam-se ao festival, alguém entra a pedir uma cadeira para a condutora atropelada. E eu com o meu olho a dois tons e meio de sombra espero, paciente e bem comportada, que a minha cara volte a ser a proganista do momento. Estou tranquila e egocêntrica porque a atropelada já se sentou e nao tem vestígios de acidente. Já eu, parece que levei um soco mal dado no olho esquerdo. Enquanto esperava, pensei no ratio de pessoas que teriam tido a sua primeira aula de maquilhagem interrompida por um acidente rodoviário. Somei um ratio bastante humilde, com o meu caso como exemplar único.
Já tinha participado em workshops e demonstraçoes de maquilhagem, mas nunca uma coisa dura e puxada como esta sessao individual, em que fui incubida de repetir do outro lado da cara tudo o que a maquilhadore fazia no lado oposto. Milagrosamente os lados saíram semelhantes o suficiente, pelo menos de longe e à luz da noite, que já havia escorregado pelo céu catalao. E ao som da ambulância que chegou entretanto.
Maria, a maquilhadora proveniente da Eslovenia, perguntou-me se eu era modelo. Uma pergunta que alaga qualquer mulher e que me encheu de confiança para terminar a tablete de chocolate Milka ,de uma só assentada, depois do jantar. Suspeito que também tenha servido para me impulsionar a gastar 50€, além dos do vale de oferta, em: uma base, um lápis, um rimel, um pincel com forma estranha para fazer efeitos especiais e um gel para pentear as sobrancelhas, cuja existência eu desconhecia mas dá imenso jeito para atenuar os efitos causados por alguém como eu, que está longe de ser o D’artagnan a manejar a pinça. A Maria ainda me tentou impingir uns kits de pinceis que sobraram do Natal, pela módica quantia de 60€. Mas até um elogio modelo tem limites e 50€ é, definitivamente, um deles. Faço um balanço positivo da minha primeira aula de maquilhagem - voltei para casa toda apetrechada de beleza e com conhecimentos para triunfar de dia e de noite, ou nao, mas o importante é acreditar que sim.
E nao houve mortos nem feridos.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

O síndrome de Bridget Jones

Já cá estou outra vez, desculpem a demora...

Aproveito o 8 de Março para dizer que as mulheres deviam ganhar mais do que os homens