"I have a dream..."

Depois da saga do arranjo do elevador que me deixou 3 semanas a subir e a descer 9 andares 4 vezes por dia. Depois da efeméride do gás que me deixou com água fria a meio do banho uma, duas e mais outra vez, não obstante as 3 visitas dos técnicos da Junkers. Depois de uma invasão de formigas que vão e vêm não sei de onde. Decidi procurar outras opões de vivenda.
Vá-se lá saber porquê...
Após várias incursões internáuticas encontrei este duplex de desenho, com acabados de luxo, 120 metros quadrados, um plasma na cama, um projector, duas casas de banho e, e, e, e… uma banheira de hidromassagem!
Foi amor à primeira vista. Um amor louco, um sonho feito realidade, um pairar de alegria nas nuvens. E a agência até se chama “skyflats”. É um sinal divino.
Mas o melhor de tudo (depois da banheira de hidromassagem), é que eu até podia pagar a renda. São só 25€* mais do que o aluguer do meu ático de 30 metros quadrados com mais 15 de varanda. Sem desenho, nem luxos, nem plasmas, nem projectores, nem banheiras de qualquer estripe.
*Nota: São só 25€ mais, se eu dividir o aluguer com alguém!
E como camas o duplex só tem uma, convinha que fosse com a mesma pessoa com quem costumo dormir.
Aqui emerge o problema número 1: essa pessoa, em plena formação da bolha imobiliária, decidiu armar-se em magnata do real estate e fez duas hipotecas para comprar duas casas, ambas em St. Cugat, que nem sequer é Barcelona. Ninguém quer viver em St. Cugat. Só ele. Uma das casas está alugada, a muito custo, e o aluguer nem sequer lhe cobre a hipoteca. Vender já é impossível e em St. Cugat é ainda mais difícil. E se por algum milagre conseguisse também alugar a outra casa, onde atualmente vive, imagine-se que os inquilinos lhe dão um tchau aí pela mesma altura. Ele fica com duas hipotecas mais meio aluguer para pagar. Vai à falência, prendem-no e é tudo muito chato.
Como se não bastasse, o skyflat duplex é no Raval. O Raval é um bairro muito típico no centro de Barcelona, onde abundam drogas, prostitutas e imigrantes ilegais.
Além de maus odores, baratas e algum ratinho.
Não há sitio para estacionar, não há vistas, e a luz escasseia pelas construções centenárias amontoadas nas ruas estreitas.
O paraíso na terra portanto.
Ainda assim, mandei um email a pedir uma visita. Pode ser que a vista satélite do Google maps engane e a rua até seja agradável. Pode ser que amanha lhe liguem do banco a dizer que conseguiram vender uma das casas e que alguém queira alugar a outra.
Pode ser que as baratas e os ratos não gostem de duplexes de luxo.
Por estas imagens vale a pena ir lá ver.
E ver, como sonhar, é grátis.




Comentários

Mensagens populares deste blogue

O síndrome de Bridget Jones

Já cá estou outra vez, desculpem a demora...

Um fim de ano especial, com festa no Palácio Real!