Pascoas felizes

La Palma. La Mona. A quinta-feira Santa.
O folar. As amêndoas. A sexta-feira Santa.
A festa é a mesma, as celebrações diferem em nomes, costumes e dias. O importante é que há férias para todos de Portugal à Catalunha. E da Catalunha a Portugal a semana Santa não foi muito abençoada pelo sol mas, como cada ano, satisfez as duas adorações antitéticas que a marcam a sua especificidade: a adoração dos martírios de Cristo e a adoração dos ovos e coelhos de chocolate. Na primeira, as pessoas enchem-se de alegria para participar em tristes e solenes procissões, comandadas por estátuas religiosas, devidamente recatadas da chuva. Na segunda, onde eu sou devota, as pessoas enchem-se de alegria para esvaziar o bolso nas apetitosas montras de chocolates esculturais.
Quando era pequena os meus pais compravam doses industriais de kinder surpresa e escondiam-nos por toda a casa. Era um apogeu semelhante à manha de Natal, essa busca incessante até encontrarmos todos os ovos: detrás das molduras de fotos, debaixo da almofada, dentro da banheira cor de rosa da casa da Barbie.
Chamem-me etnocêntrica, mas a mim parece-me imensamente mais interessante caçar ovos kinder que andar a bater com um pau na terra à saída da missa de Domingo. Chama-se “La Palma” e é a tradição infantil cá do sítio. Eu sou da opinião que se vamos descartar o lado didático de uma atividade para crianças tem de ser por uma boa causa: cacau, açúcar e brinquedos surpresa.
Para compensar, têm “La Mona” que é um bolo com um boneco, ou em forma de boneco, tradicionalmente feito pelo padrinho para oferecer ao afilhado. Pode ser com um tubarão, com o Bob Esponja, ou com a cara do Messi. Ora façam-me o favor, bolos com bonecos são para as festinhas de aniversário, não para a ressureição do Senhor!
O bom do folar com o simbólico ovo no meio é, irrefutavelmente, mais adequado a tão sagrada ocasião. Não obstante, todas as pastelarias de Barcelona dão uma clara preferencia aos bolos do Messi.
A única coisa em que talvez possa estar de acordo com a Pascoa catalã, é a santidade dos dias. Desde quinta-feira que todos são Santos, o que faz sentido se pensarmos que estamos na SEMANA santa. Mesmo assim, faz-me confusão que o Domingo não seja O Domingo de Pascoa, mas só mais um dia no rol dos dias beatificados.
E, principalmente, não me conformo que amanha já seja dia de ir trabalhar outra vez.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

O síndrome de Bridget Jones

Já cá estou outra vez, desculpem a demora...

Um fim de ano especial, com festa no Palácio Real!