Nao é um mail mas...

A minha mãe está-se sempre a queixar que eu não respondo aos emails dela. Eu respondo, às vezes. Respondo, por exemplo, quando não tenho que contar que estou a cozinhar numa panela  que tem queimaduras de primeiro grau na base. Respondo, nos dias em que não fiquei sem jantar por estar a trabalhar, por não ter comida em casa, por não querer limpar a cozinha ou, simplesmente, por não saber cozinhar.
Respondo, quando não pus roupa de lado porque se descoseu qualquer coisa ou porque há uma mancha que eu não sei tirar.
Respondo, quando tenho água quente no chuveiro e a casa limpa, arrumada e sem formigas. Como se ela pudesse ver a sujidade entre o ponto final e a última palavra.  
Respondo quando não estou triste, porque isso ela notaria logo na primeira vírgula.
Respondo quando não encravei o computador por falta de actualização do antivírus, ainda por cima eu, que não me lembro da última vez que fiz um back up. Aqui é mais fácil responder aos emails do meu pai, porque ele também não faz back ups (nem actualiza o anti-virús).
Respondo quando não andei a esbanjar o dinheiro em comprinhas futilzinhas, sem cálculos, nem previsões, nem percentagens, nem frações. Que mesmo que quisesse já não sei como se fazem. O único conhecimento matemático valioso que mantenho é a regra de 3 simples. O que é um pouco demolidor quando se tem uma mãe que é professora de matemática e doutorada em alguma coisa ainda mais complicada que eu não sei explicar porque o meu inteligível para leitura da tese dela se acabou logo na primeira página (que acho que era o índice).  
E, principalmente, respondo quando tenho novidades que a vão deixar feliz. O que não acontece na maioria dos dias.
Assim sendo, é verdade que eu não respondo a todos os emails da minha mãe. Sou uma filha desnaturada, eu sei. O que ninguém sabe, nem tu mãe, é que todas essas vezes que eu não respondo estou a pensar em ti e em como eu gostava de ser polivalente como tu, e de fazer tudo tão bem como tu, e de tornar a vida tão simples e tão feliz como tu fizeste connosco.
Isso, ou que tu estivesses aqui comigo.    

Comentários

Mensagens populares deste blogue

O síndrome de Bridget Jones

Já cá estou outra vez, desculpem a demora...

Aproveito o 8 de Março para dizer que as mulheres deviam ganhar mais do que os homens