Tirem-me daqui!


Domingo é o meu único dia de folga. Ou, como se diz em terras de La Roja, “dia de fiesta”. Mas festa hoje é um termo longínquo. Hoje, depois de uma semana abrasadora, choveu torrencialmente, com direito a trovões, relâmpagos, vento e todo esse cocktail de condições atmosféricas que impossibilitam quaisquer planos de reforço do bronzeado.
Não me querendo dar por vencida no meu “dia de fiesta” decidi que era boa ideia ir espreitar o primeiro dia de saldos. A falta de sol tem claramente um efeito nefasto no meu tico e teco. Filas até ao infinito e mais além para os provadores, filas até ao infinito e mais além do além para pagar, um formigueiro de gente em todas as lojas e nada de jeito.  As roupas arrumadas estilo feira da ladra, que para encontrar alguma coisa gira seria necessário desenterrá-la, entre cotoveladas,  de todo um emaranhado de cadáveres de pano. E eu para medicina forense nunca tive queda.
De volta a casa o moço começou a pressionar que queria ver o jogo de Espanha. Era só o que me faltava, ter de ver o jogo da Espanha na minha própria casa.
E no entanto cá estamos, ele refastelado no sofá a esfregar as mãos de contente, os vizinhos a atirar foguetes e os comentadores na sua linha “Não há duas sem três, vamos fazer história, Espanha é a melhor do mundo, Iniesta é o melhor do mundo, Casilhas é o melhor do mundo, Xavi é o melhor do mundo…” e assim sucessivamente.  Eu cá não percebo como é que os salários são tao baixos e a taxa de desemprego é a mais alta da Europa se estamos neste país tão fabuloso que é o melhor do mundo, que está cheio de espanhóis que são todos os melhores do mundo e quem disser o contrário é ostracizado.
Ainda por cima Itália, a minha última esperança, começou a perder desde tenros  minutos, afastando qualquer réstia de vontade de assistir ao jogo para ver a Espanha ganhar outra vez.
Ao primeiro “Vamos!” que ele soltou respondi-lhe logo “ A ver se não vais tu pela janela fora”. Desde então está a conter-se.
Estou aqui a cogitar interpor uma baixa por depressão, que isto de ser portuguesa por estas bandas é uma tarefa hercúlea.
E pronto, acabam de marcar o quarto.
Quero emigrar.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

O síndrome de Bridget Jones

Já cá estou outra vez, desculpem a demora...

Aproveito o 8 de Março para dizer que as mulheres deviam ganhar mais do que os homens