Episódios tropezianos 1


Já sabíamos que o hotel não era um 5 estrelas, mas havíamo-nos esquecido da existência desse programa que desvirtua realidade e que se chama photoshop.
O dono do hotel compensou a coisa, com uma simpatia e hospitalidade pouco frequentes nos les bleus. Depois de 6 horas de viagem já estávamos a laurear a pevide pelo Port de Saint Tropez. Os iates, senhores absolutos de Saint Tropez, repousavam a um lado, enquanto do outro bares, cafés, restaurantes e lojas variadas viviam a azáfama e o burburinho da hora de jantar.  

 

Passámos pelo famoso restaurante club Papagayo, que era bonito sim senhor mas parecia uma lar de idosos. O que nos vinha recomendado era o Le Quai e foi aí que entrámos, esperámos e fomos ultrapassados por amigos da casa, mas a sorte de principiante fez-se ver e conseguimos uma mesa com a vista da esplanada com o porto de fundo. O jantar era animado por música ao vivo e bailarinas de cabaret que faziam parar o trânsito. A decoração moderna e divertida, o ambiente seleto e animado, a comida gostosa e o preço inflacionado. Uma típica noite tropeziana. 

 



 
 

 
No regresso parámos para comer um Haggen Dazz, marca que eu pessoalmente considero cara mas que em Saint Tropez está no lado “baratuxo” do porto, ao lado de uns baretos e de umas lojas de roupa de baixa costura. Também vimos o VIP Room, uma das discotecas mais badaladas, que aparentava ter uma extensa fila de acesso, porém, eram apenas paparazzi caseiros, pessoas que esperavam ansiosas com as câmaras em punho para registar o momento alto das suas férias de verão: tirar uma fotografia a alguma celebridade que por ali passasse. 

 

Diz que ir a Saint Tropez e não ver a Paris Hilton é como ir a Roma e não ver o Papa. Nós, como já vimos a Paris Hilton em Barcelona e fotografias preferimos tirar-nos a noi mêmes, fomos dormir cedinho, para aproveitar bem o nosso primeiro dia.

 

Amanheceu com algumas nuvens mas o calor intenso trespassava-as sem tréguas. Para chegar à Plage des Graniers (dentro de Saint Tropez) envolvemo-nos numa epopeia de caminhos desconhecidos por um trânsito tão intenso como o calor e tão confuso como o napolitano. Ainda bem que era ele a conduzir, é só o que eu vos digo.

 

A praia foi uma pequena desilusão, areia cheia de cascalho, mar cheio de pedras, um restaurante agradável mas lento, desorganizado e caro, claro. 

 

Depois do almoço decidimos explorar a vila, sim, Saint Tropez é uma pequena vila, tão pequena que em 10 minutos já estávamos no Porto outra vez. Fez-me lembrar a minha adorada Siena, pelo estilo das casas e as ruas estreitas, mas Siena tem mais encanto e mais estória. Saint Tropez é uma vila de pescadores com lojas de marca e bandeiras de França. 

 


 

 

 
 

De noite comprometemo-nos a economizar no jantar, o que em teoria é uma boa ideia mas na prática resultou numa pizza queimada e num calzone recheado com pedaços de plástico, supostamente de embalagens e fiambre. E nem sequer economizámos muito, sobretudo porque depois fomos ao bar do Hotel Byblos (o hotel mais caro in town), enquanto fazíamos tempo para entrar nas Caves du Roy, a discoteca mais famosa e exclusiva de Saint Tropez. Contrariamente ao que esperávamos, não era preciso estar em nenhuma guest-list, nem pagar entrada. Nova York, Barcelona, Ibiza, Paris, Londres, you name it, qualquer club ou discoteca que se preze faz-se de difícil. E em Saint Tropez, no auge do glamour, não podia ter sido mais fácil. É que se pensarmos bem, o preço de 26€ por um vodka redbull já é um processo de seleção bastante efetivo per se.
A festa era boa, a malta estava na loucura mas as expectativas ficaram muito aquém. Esperávamos alguma coisa especial, como a decoração exótica e as camas do CDLC na praia de Barcelona, a vista panorâmica da discoteca no 26 andar do Hotel W, os efeitos especiais do Ushuaia em Ibiza ou a imensidão do Pachá. Não deixa de ser triste que o que mais nos  impressionou tenha sido o Dj, que não parava de dizer, como se fosse o grito de guerra mais cool do mundo “Puta que pariu”, para grande rejubilo do público, desconhecedor nato de calão brasileiro. E esta é a discoteca que o Alberto o Mónaco frequenta. 
No comments.

 

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Já cá estou outra vez, desculpem a demora...

Aproveito o 8 de Março para dizer que as mulheres deviam ganhar mais do que os homens

Um fim de ano especial, com festa no Palácio Real!