A festa no barco




Segunda era uma noite de descanso que se transformou num festival para lá do imaginável.
Primeiro ia dizer que não, mas essa força motriz que é o dinheiro chamou mais alto. Estar com a lista de convidados de uma festa privada num barco das 9 às 11. Piece of cake.  Bar aberto e comida grátis. Toca a convidar as amigas.  O namorado colou-se ao plano, como bon vivant que é.
Quando me disseram que esperavam 200 pessoas,  comecei a suspeitar que o “barco” não podia ser um barquinho comum e corrente.
Quando chegámos ao porto  vimos uma multidão apinhada a tirar fotografias. OMG! Aquilo não era um “barco”, era um navio de cruzeiro! Fazia os iates que vi no Porto do Saint Tropez parecerem pequenas lanchas em segunda mão.
E que prazer mais delicioso o de controlar quem acedia e quem não acedia a este pedaço de luxuria flutuante. Senti-me uma bad guy em toda a regra! Principalmente porque estava escoltada por 3 guarda-costas, mais outros tantos motoristas de mercedes que  aguardavam, pacientes e em fila, o momento em que algum dos habitantes do barco decidisse sair do seu harém.
Às 11 fechei as portas, que é como quem diz, subi a bordo. E que melhor sopresa do que encontrar um buffet imenso, de fazer inveja a muitos casamentos, com lagostas, carnes, peixes, frutas, doces e tudo mais a que o pecado da gula se pode referir. Quando me disseram comida grátis eu pensei que seria um “pica-pica”, uns croquetes, umas saladas, o de sempre. Mas bastou ver as lagostas gigantes no centro da mesa, para saber que aquilo ia ser tudo,  menos o de sempre.
Estávamos noutra dimensão muito além da nossa realidade. E isso que este era o “barco pequeno”, os donos tinham outro, muito maior. Há barcos maiores que este que não sejam destinados a fins comerciais??? Choque.
Neste “pequeno barco” havia 25 camarotes, ginásio e outras comodidades que tal, bem como um número infinito de staff, guarda-costas e tripulação. E eu nunca tinha visto Barcelona desde o mar, com cobertura de estrelas. Na verdade, eu nunca tinha visto nada assim.
O ponto de aterragem do helicóptero era agora a pista de dança, onde um Dj tocava animadamente. Ao outro lado emergia o jacuzzi, rodeado de agradáveis colchoes onde pulámos e dançámos qual anúncio dos coelhos da Duracell, enquanto Barcelona deslizava no horizonte.  Dançámos porque a música a isso obrigava e pulámos porque estávamos felizes, rainhas da noite no topo do mundo.  Mas havia outra razão ainda maior que o topo do mundo, que nos motivava a fazer bungee jumping à volta do jacuzzi: quanto mais paradas nos mantivéssemos,  mais os solavancos das ondas se revelavam prejudiciais ao nosso equilíbrio físico e estomacal. E ninguém quer vomitar uma lagosta borda fora não é verdade?
As fotografias dentro do barco estavam proibidas pelos anfitriões, o que foi uma pena porque essas imagens valeriam mais que todo este blog. O luxo e a riqueza daquele barco extravasam qualquer tentativa literária de reprodução.  São momentos que contados sabem a pouco, é o ver para crer.
Agora sei como é que os milionários passam as férias de Verão: a passear pelos melhores portos, com cruzeiros privados, onde montam festas de arromba! Acredito que a isto se chama qualidade de vida.
Já passava das 4 da manha quando o barco regressou, ainda que nós estivéssemos prontas para desembarcar às 2, porque fazia um pouco de frio e já estávamos cansadas. Queríamos dormir. E foi mesmo com muita gente a dormir enrolada em toalhas nas espreguiçadeiras, que a noite terminou.
O que não deixou de ser um pouco ridículo, afinal era uma noite de verão,  com comida e bebida non stop, num barco de luxo no Mediterrâneo. O que me leva a cogitar que as nossas hipóteses de sobrevivência no Titanic teriam sido de aproximadamente 5 minutos.
No dia seguinte, o barco foi para Ibiza e eu fui apanhar o metro, qual Cinderela depois da sua noite encantada, mas com mais olheiras.  










Comentários

Mensagens populares deste blogue

Um fim de ano especial, com festa no Palácio Real!

Já cá estou outra vez, desculpem a demora...

O melhor plano de fim de semana (e vai daí talvez não)!