The impossible



A história é real. E todos nos lembramos de ter visto as notícias na televisão. O pessoal detrás das câmaras é espanhol, mais que isso, o director é catalão. A première foi em Madrid. E para também ter audiência nos EUA,  a Naomi Watts é protagonista.
Criou-se pois todo um reboliço de publicidade e extasiante antecipação do “Impossível”, suponho que esse seja o título em Portugal.
Via-se o tsunami a chegar à costa, via-se a mão da Naomi a submergir das águas devastadas numa busca desesperada pelos seus filhos. Via-se o filme todo só com o trailer, ainda assim, tivemos que ir vê-lo ao cinema.
Fui eu, o namorado, a Little miss Schutz e o amigo.  E muito mais gente, porque a sala estava cheia. Ela, o amigo e eu chorámos que nem 3 Madalenas. Não entrava neste estado de cheias lacrimais desde o Armagedom. Digo-vos já que é pior que o próprio do Titanic, porque o casting de actores escolheu as criancinhas mais fofas e mais lindas e mais irresistíveis para serem apanhadas no meio do tsunami. Chorava só de olhar para eles. Cogitei sair da sala para ir-me assoar. Mas não queria perder pitada. O ecrã hipnotizava-me. O filme é forte e bastante espectacular.  Envolvemo-nos naquela história como se fosse a nossa, como se aquelas criancinhas fossem os nossos filhos, ou afilhados ou sobrinhos, como se aquele casal fossem os nossos melhores amigos. Porque no fundo sabemos, que toda a gente que morreu neste desastre era alguma coisa de alguém.
 O namorado diz que não chorou mas eu desconfio que quando virava a cara para beber a coca-cola deixava cair uma lagrimazinha. Porque no Impossível, o impossível é mesmo não chorar. 

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Já cá estou outra vez, desculpem a demora...

Aproveito o 8 de Março para dizer que as mulheres deviam ganhar mais do que os homens

Um fim de ano especial, com festa no Palácio Real!