Treino de resistência CC


Terça-feira foi dia de brainstorming. Mais de 7 horas de ideias, discussões, opiniões e conclusões. Poucas mas boas. Ainda assim, os intervenientes foram-se prostrando com o passar das horas. Um até teve uma baixa de tensão. Outro decidiu divagar pela arte do desenho, outro começou a pensar em problemas pessoais práticos. No fim, estávamos todos mas só sobrávamos dois. Eu e o líder de projecto. Para o que desse e viesse. Para mais 7 horas de reunião se fosse preciso. Acho o brainstorming estimulante. Gosto de questionar, discutir, responder. Gosto de aprender. Sempre gostei.
Lembro-me do dia em que a minha mãe disse que já não estudava mais comigo, que eu era muito chata, porque não parava de lhe pedir para me fazer perguntas sobre uma matéria que já sabia de cor e salteado. Foi no quinto ano. A partir daí, as únicas perguntas que minha mãe me voltou a fazer foram as do Trivial Pursuit, versão familiar.  
Eu gostava das aulas de história e dos testes de inglês e de português. Gostava de ler os livros de filosofia e de escrever apontamentos de psicologia.  Gostava de saber geografia e francês e algumas coisas de Ciências da Natureza. Gostava de matemática, sempre e quando conseguia resolver os exercícios. Em geral, gostava de tudo, menos físico-química e educação visual. Até que cheguei ao curso de Ciências da Comunicação (CC) da Universidade Nova. Continuei sem gostar de coisas relacionadas com físico-química e artes visuais mas, além disso, passei a não gostar de tudo, em geral. Eu que gostava de ir às aulas, deixei de ir a todas. Eu que era uma menina empenhada em aprender, passei a pensar que não valia a pena. Porque o que nos ensinavam só servia para passar o exame e respirar de alívio por nunca mais ter de ler aqueles livros e ouvir aquele professor.
Então eu estudava, estudava e estudava, empinava, empinava e empinava, sem a mais pálida motivação. Foram os anos menos proveitosos destes 26.
E eis que chego às reuniões de brainstorming e sinto que, afinal , ter passado as férias do Natal a ler o calhamaço vermelho de Comunicação e Ciências Sociais, serviu para alguma coisa. Ter aguentado 4 horas de Sociologia da Comunicação todas as semanas e sair da aula com as mãos dormentes de tanto escrever, serviu para alguma coisa. Textualidades, Teoria Política, Mutação dos Media, Mediação dos Saberes... Todas essas eternas e dolorosas secas tinham um propósito. Hoje, sou uma pessoa grata à Universidade Nova pelo excelente treino de muitas horas de aulas, bibliografias intensas e exames maciços sobre as coisas menos interesantes que existem à face da terra. Graças a CC aguento bem ( e com entusiasmo!) 7 horas de brainstorming e consigo ler as trilogias de Ken Follet em inglês, até ao fim, em menos de um mês!
E isso não é tudo! Eu sei que um dia, quando menos espere, ainda vou fazer um brilharete a resolver árvores semânticas.  


Comentários

Mensagens populares deste blogue

Já cá estou outra vez, desculpem a demora...

Aproveito o 8 de Março para dizer que as mulheres deviam ganhar mais do que os homens

Um fim de ano especial, com festa no Palácio Real!