Um Não Natal

Sempre tive Natais felizes. De pouca desarrumação, de pouca gente. Onde a tradição do bacalhau e do perú se misturaram, para grande contento meu, com a lasanha e o bolo de chocolate recheado de laranja.
Natais de mais ou menos frio, de mais sol ou menos chuva, de mais ou menos presentes, de mais ou menos folclore na árvore, dependendo de quem a decorasse.  Sempre em Lisboa, sempre em família. Atigamente, o meu pai comprava pinheiros naturais, até ao ano em que descobrimos os de plástico, made in china, e nunca mais quisemos outra coisa. São imensamente mais práticos, é só tirar e pôr na caixa,  sujam muito menos e são mais ecológicos. Se bem que eu acho que o motivo de força maior é mesmo porque o meu pai já não tem a tenacidade para andar, para cima e para baixo, com um pinheiro natural às costas.
 Quando era pequena, dava voltas e voltas à árvore numa excitação assanhada, tentando desvelar o que escodiam os embrulhos. No dia 25 acordava às 7 da manhã, ou antes, e os meus pequenos pés tinham somente um destino.
Porque quando somos pequenos a vida é assim, com objetivos bem definidos e a curto prazo. Quando somos pequenos a felicidade é um carrossel, às vezes para porque caímos da bicicleta com rodinhas ou porque nos puseram de castigo (sempre injustamente), mas depois volta logo a girar outra vez.
Porque quando somos pequenos o Natal é a nossa lotaria e a felicidade o nosso dia-a-dia. E não nos passa pela cabeça que esta regra universal não se aplique a toda a gente, em todo o lado.
Mesmo quando crescemos e nos apercebemos de que nehnuma regra é universal, não pensamos que o Natal possa ser outra coisa além daquela que sempre vivemos. Eu pelo menos não pensava.
Até que este Natal aconteceu um daqueles azares, uma daquelas tristezas, uma daquelas coisas que nos fazem perguntar porquê eu? Porquê comigo? Eu até não sou má pessoa.
Este Natal foi interrompido por um internamento no hospital, desde a noite da consoada até ao dia 27.  Este Natal foi o primeiro Natal não feliz que vivemos. Não foi Natal.

Foi a triste realização de que há muita gente que nunca teve um Natal feliz. Muita gente que teve um Natal ainda pior que o nosso. E que, afinal, o Natal não deixa de ser um dia normal, em que podem acontecer tantas coisas más como noutro dia qualquer.  

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Já cá estou outra vez, desculpem a demora...

Um fim de ano especial, com festa no Palácio Real!

Aproveito o 8 de Março para dizer que as mulheres deviam ganhar mais do que os homens