Batalha naval

O ano passado, no meu aniversário, fizemos  paddle surf pela primeira vez. Foi divertido, foi tranquilo, foi relativamente fácil. Por isso ontem, quado a ideia surgiu espontaneamente no meio da praia, não pensei duas vezes.
Não pensei no vento, não pensei na corrente, não pensei nas ondas.
Aluguei uma prancha e meti-me à água, armada em pro. Uma investida que se revelou um autêntico fracasso.
O fato de não me ter aguentado mais de 10 segundos seguidos em pé na prancha é, provavelmente, a coisa menos má que aconteceu. 
Comecei em frente ao Clube de Natação de Barcelona e, passados 5 minutos, já estáva quase em Ibiza. A prancha ia ao sabor do vento, ignorando por completo as direções do remo. Passei o resto da hora que tinha, a tentar voltar ao ponto onde devía estar, com essa continúa e angustiante sensação de que por muito que remasse não saía do mesmo sítio.  E não saía mesmo.  Tive que me pôr a nadar, com a prancha atrás, para começar a avançar.
Experimentei remar sentada, deitada, dobrada, ajoelhada, mas nada se revelou eficaz.  A prancha tremia qual gelatina de morango, oscilando vacilante na constante das ondas.
Pôr-me de pé era uma odisseia. Caí de todas as maneiras e feitios possíveis. Para  a frente, para trás, de chapa, de lado, de costas. Uma paródia! Engoli litros de água salgada, esfolei os jelhos, desloquei o biquini. Estava 100% empenhada na minha própria batalha naval. Consegui voltar ao ponto de partida mas não me restou outra opção que render-me, exausta, com os joelhos vermelhos, os braços dormentes e a barriga inchada, dos litros de água ingeridos.  
Já em terra, tiveram que me ajudar a carregar a prancha, porque o vento a desviava do meu parco domínio, ameaçando letalmente as cabeças dos banhistas mais próximos.

Contado, não parece muito divertido. Mas foi tão ridículo que deu para rir bastante, em jeito de desafio à frustração. 

Aqui ficam imagens do regresso (pouco) triunfante.










Comentários

Mensagens populares deste blogue

Já cá estou outra vez, desculpem a demora...

Um fim de ano especial, com festa no Palácio Real!

Aproveito o 8 de Março para dizer que as mulheres deviam ganhar mais do que os homens