Ale's NY GUIDE - chapter 3 - Eating

A blogosfera inteira não seria suficiente para uma resenha completa sobre os restaurantes de NY. Estão por todos os lados, para todos os gostos, feitios, bolsos e colorações de cabelo. NY não é só a cidade que nunca dorme, também é a cidade que nunca pára de comer. O que não quer dizer que seja tudo comestível...
A primeria advertência vai para os sumos de laranja naturais. A menos que se trate de uma loja de sumos naturais e os vejam a ser espremidos, pensem que não é por acaso que estão na Big Apple e não na big orange.
A outra advertência vai para os icónicos carrinhos de hot dogs e outras iguarias que tal. É rápido e é barato. O resto é por vossa própria conta e risco.

Advertidos que estais, comecemos pela Sarahbeth’s, porque um bom pequeno-almoço é a base para um bom dia. Panquecas e eggs benedict com salmão são altamente recomendáveis, bem como as marmeladas caseiras com baggels. A carta é ampla e há várias Sarabeth’s. A minha preferida fica na 27th com Park Avenue, onde eu costumava viver. No fim-de-semana preparem-se para fila de espera, toda a gente quer um pedacinho da Sarah!




Para almoçar, há dois sítios muitos giros que oferecem opções variadas a preços em conta: Eataly, na quinta avenida, e o Chelsea Market, em Chelsea. Os dois giram em volta do conceito de mercado. Eataly é um mercado novo e moderno que reúne uma rigorosa e completíssima panóplia de produtos italianos, desde gelados artesãos, café, pasta fresca e queijos até vinhos, fruta fresca e bolachas Mulino Bianco, as minhas preferidas. Além dos produtos, há stands de comida com pizza, pasta, carnes e doces para comer ali mesmo, que farão o estômagos de todas as nacionalidades dar pulinhos de alegria. 










O Chelsea Market, mais mítico que moderno, mistura lojas de roupa e acessórios, livrarias, cupcakes e cookies com diversos restaurantes e take away. Vou destacar o take away de pasta fresca da Rana, que é uma boa opção se quiserem andar um bocadinho e comer num banco de jardim à beira rio, além de ter sabores de pasta inéditos como tagliatelle de caril ou ravioli de chocolate.  Se quiserem ficar por ali e gostarem do cheiro a mar há uma peixaria-restaurante com peixe à escolha do freguês. Dizem que o sushi é delicioso. Nota importante, o Chelsea Market também tem wifi grátis!








Uma novidade  fresquinha que descobri este ano, foi o The Pavilion. Abriu em Abril, no meio de Union Square, mesmo em frente à NY Film Academy. Um corredor ladeado por colunas dá lugar a um agradável restaurante com staff extremamente afável.  Apesar de só ter experimentado o sandwich de atúm, recomendo pela boa energia e originalidade do espaço, e porque o danado do sandwich estava gostoso que só ele.  




Não pensem que me esqueci das sobremesas ou do lanche. Apresento-vos o Max Brenner, a Meca do chocolate, numa esquina de Union Square. Preparem-se, porque há chocolate pelo teto, a escorrer por tubos. Há bolachas, crepes, waffles, bolos, gelados e pizzas de chocolate! E há todas as espécies possíveis e imaginárias de bebidas que envolvam chocolate. E é tudo, mas tudo, tudo, tudo, para lá de lamber os dedos. Também há sandes e pratos salgados, mas isso é como ir ao McDonald's e pedir uma salada!







O jantar e outras surpresas ficam para mais tarde, porque depois do Max Brenner a barriga requer um merecido descanso!

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Já cá estou outra vez, desculpem a demora...

Um fim de ano especial, com festa no Palácio Real!

Aproveito o 8 de Março para dizer que as mulheres deviam ganhar mais do que os homens