Ale's NY Guide- chapter 7 - other favorite spots

Depois de vos ter contado e ilustrado o meu  number 1 spot em NY, Bryant Park/NY Public Library, chegou a altura de falar de outros sítios especiais, ainda que turísticos.
Há um sítio em NY que brilha mais que todos os outros, uma praça que dispensa o sol porque ali é sempre de dia. Um ponto de engarrafamento de carros, pessoas e personagens  fofinhos que cobram por cada fotografia que tiramos com eles. Times Square é o um desafio ao défice de atenção, porque é praticamente impossível focar em alguma coisa, com tudo em constante movimento.  A minha recomendação é conseguir um espacinho nas escadas vermelhas e olhar à volta com calma. Imbuir-se dessa dinâmica de luzes, flashes e rostos e encontrar nela o verdadeiro puctum, como o que Barthes procurava nas fotografias. Porque ele existe em Times Square, mas é preciso saber parar para o encontrar. É preciso travar as buzinas e as sirenes, abrandar os passos, ver os outdoors em câmara lenta e então sim, desde as escadas vermelhas, vislumbra-se a verdadeira luz de Times Square.



Além disso, as escadas vermelhas são também um excelente ponto de observação da fauna humana.



Uns quantos “blocks” acima de Times Squar temos o Central Park. O nome dispensa apresentações e é paragem obrigatória todas as estações do ano. Mas não se parem na primeira coisa que virem, não! 



Procurem a estátua da Alice no País das Maravilhas, vejam o pôr do sol em cima das pedras, subam ao castelo, comam na Boathouse, naveguem pelo lago, tirem fotografias no átrio,  assustem os esquilos, joguem baseball, apanhem sol e patinem no gelo. 










Central Park é uma gigantesca caixinha de surpresas, onde os sons da cidade são reprimidos pelo suspiro das árvores e as vistas deixam-nos mudos.




Pegados ao Central Park, mas em lados opostos, existem dois museus de referência: o  National History Museum, que é o meu preferido porque tem dinossauros e nenhum outro museu pode competir com isso, e o glamoroso MET, com uma fascinante galeria Egípcia que culmina num dislumbrante jardim estufa.  As entradas nos museus são donativos, cada pessoa decide o que quer pagar.




Na outra ponta de Manhatan, para as bandas do trendy Meatpacking district, podemos subir-nos ao High Line. Um curioso parque erguido à volta de uma antigua linha de comboios onde os carris nos traçam o caminho a seguir. Não é tão grande como o Central Park, mas tem vistas para o rio e agradáveis recantos para apanhar sol ou tirar fotografias. E a qualquer momento que decidamos descer da “linha”, dispomos de várias boutiques de roupa e opções gastronómicas, como o famoso Pastiss, que a Carrie Bradshaw frequentava assiduamente. 









Comentários

Mensagens populares deste blogue

Já cá estou outra vez, desculpem a demora...

Aproveito o 8 de Março para dizer que as mulheres deviam ganhar mais do que os homens

Um fim de ano especial, com festa no Palácio Real!