A bola de ouro 2015

A gala da bola de ouro deve ser das poucas coisas, a nível mundial, que rivaliza com o cozido à portuguesa. Pela quantidade de chouriço que metem lá p’ra dentro, numa panóplia de prelúdios que não interessam nem ao menino Jesus.
Um verdadeiro massacre de minutos, com uma actuação musical a romper o ritmo pesado das palavras vazias, mas sem réstia desse ritmo artístico chamado carisma. As pessoas não estavam ali para ouvir música, nem para ouvir o não sei que vice-presidente de não sei quê da Fifa, nem para ver os 11 jogadores do “dream team”, até porque só vieram 8 (oooh, não percebo como é possível que não tenham querido assistir a este evento tão emocionante!).
Foram duas tortuosas horas para dizer que o melhor jogador do mundo é português.  O nosso CR7 ganhou o seu terceiro balón de ouro, como dizem por cá. A Dona Dolores desmanchou-se em lágrimas, o filho assomou-se-lhe à perna e da Irina nem a sombra se viu. Não chegou com ele, não a filmaram uma única vez e não recebeu nem um singelo obrigado do seu amado. E olhem que ele agradeceu à mãe, ao pai, ao filho, à família, ao clube, ao presidente, à selecção, aos companheiros e para a fofa rien de rien.
Oh-oh, como diria Hamlet, há algo podre no reino de Ronaldo.
Para mim, a ausência da modelo foi a grande (e única) surpresa da Gala.
Cadê a Irina minha gente???
Confesso que estava na expectativa de ter visto o vestido dela, o cabelo, a maquilhagem, os sapatos... e em vez disso cá fiquei, desconsolada,  com a enchente de chouriços.
A bem da verdade, já que estou numa de confissões, eu gostava que tivesse ganho o Neuer, o guarda-redes alemão, para não serem sempre os suspeitos do costume, que já não há paciência para este dualismo Messi vs Ronaldo.
Vá, por isso e porque o Neuer é mais giro.
Mas o Messi que não se preocupe que, não sendo o melhor jogador do mundo, nem o mais bonito, ganharia com certeza o prémio da fatiota mais original com aquele traje lilás reluzente. Uma pena não existir tal reconhecimento.
Claro que também não me incomoda nada que o melhor jogador de futebol do mundo seja um português, ainda por cima pela terceira vez. Com a história humilde que todos conhecemos e o devido louvor ao esforço e sacrifício que investe no seu sonho.  
O discurso este ano é que foi menos comovente, em vez da choradeira soltou um gritinho esganado e despropositado, confirmando assim o expoente da retórica futebolística.
Mas, voltemos ao grande destaque da bola de ouro 2015:

Irina mulher, onde está você?!

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Já cá estou outra vez, desculpem a demora...

Aproveito o 8 de Março para dizer que as mulheres deviam ganhar mais do que os homens

Um fim de ano especial, com festa no Palácio Real!