A festa

Ontem cheguei a casa cansada.
Tinha em cima o peso de uma semana de trabalho com mais horas que um relógio e em baixo a dor dos saltos altos.
Eram uma e pouco da manhã e não via a hora de enfiar-me na minha cama, dormir o sono dos justos e babar na almofada.
Eis se não quando, reparo que do outro lado do pátio interior há umas janelas com luzes tipo discoteca. E gente a dançar.
Sem esforço, ouço a música a bombar.
OH NÃO!!! É UM FESTA!!! TENHO UM VIZINHO A FAZER UMA FESTA NO SÁBADO À NOITE!!! AAAAAAAARRRRRRRGHHHHHHHH!!!
Foi um momento inédito na minha vida, normalmente estou no outro lado da janela, no que tem de pedir desculpas aos vizinhos e fazer olhinhos aos polícias.
Nunca tinha estado do lado do vizinho chato que se queixa porque quer dormir e não pode.
O que, confesso, foi uma sensação deprimente.
Ponderei chamar a polícia, mas não sabia como explicar que estavam a fazer um festão com decibéis para lá do aceitável,  no prédio do outro lado do pátio interior...
Além disso, não pude deixar de reparar que gostava de, absolutamente, todas as músicas que eles estavam a ouvir. Parecia uma cópia da minha lista do spotify.
Nesse momento não soube se estava mais chateada pelo barulho, ou por não ter sido convidada para aquela festa!
Desde a minha perspectiva (de pé com o meu pijama da Hello Kitty, especada à frente da janela da cozinha) toda a gente, e olhem que havia ali muita gente, parecia estar a curtir imenso.
Decidi que não era preciso chamar a polícia. Vivo num bairro residencial familiar, com pais, avós e crianças. Os meus vizinhos do lado têm um bebé com umas cordas vocais de alta potência. Aquela festa tinha os minutos contados.
Assim foi, não demorou muito até a música deixar de se ouvir.
E eu pude dormir com a consciência tranquila.


Comentários

Mensagens populares deste blogue

Já cá estou outra vez, desculpem a demora...

Um fim de ano especial, com festa no Palácio Real!

Aproveito o 8 de Março para dizer que as mulheres deviam ganhar mais do que os homens