A lenda de Sant Jordi

Ainda estavam a montar as bancas na Rambla quando saí de casa de manhã, pela fresquinha. A persiana da livraria já estava levantada, em sinal de preparação para o grande dia.
A esquinas ainda eram só cimento, mas meia hora depois e lá para os lados da praia, já começavam a despontar as rosas vermelhas.
Não havia pressa, ainda era cedo. Não estava exatamente na expectativa, mas esperava pelo menos uma. De algum amigo, de algum admirador, de algum colega de trabalho. Na pior das hipóteses, de alguma promoção de rua, de algum espontâneo tomado de golpe pelo espírito da “Diada de St. Jordi”.
Mas o dia foi passando e as rosas foram desabrochando e eu continuava sem a minha.
Quando cheguei a casa para almoçar, a Rambla vazia tinha dado lugar a uma enchente pulsante de gente, saltitante entre bancas de livros e rosas, num colorido primaveril digno de um quadro de Matisse. Uma atmosfera vibrante e alegre! E eu sem rosa....
Atravessando a multidão, o coração, que tinha acordado grande e cheio de esperança, ia murchando, ia ficando cada vez mais pequenino e sem esperança.
Ia ser a única mulher de Barcelona sem rosa no dia St. Jordi. Se calhar devia comprar-me uma rosa a mim própria... mas assim não vale. Além do que, o karma por aldrabar um Santo deve ser terrível!
Veio a noite e com ela uma festa de “flower power”, onde as esperanças renasceram, qual fénix, mas em vez de receber, estive a dar flores.
E depois da meia noite já estava conformada, resignada com a minha sorte. Já tinha feito as pazes com o coração e até já nos tínhamos esquecido das rosas.
Ia no táxi a fazer scrolling no telemóvel, desejosa de chegar a casa e ir dormir, que já era tarde e no dia seguinte começava tudo outra vez, quando o taxista perguntou:
- E tu, recebeste uma rosa hoje?
Bolas! Logo agora que já não me lembrava disso...
- Não... não recebi nenhuma.
Respondi com amargura, sem tirar os olhos do telemóvel, em clara manifestação de não ter nenhum interesse em desenvolver esse tópico de conversa.
- Toma, aqui tens uma rosa para ti!
Levantei os olhos emocionada, incrédula, surpreendida, enquanto ele me passava uma rosa, que não sei de onde desencantou. Mas também, o que é que importa?
Mais vale tarde do que nunca. E às 3.30 da manhã, quando já dava o dia por perdido, o impossível fez-se realidade: eu recebi a minha rosa. 
Um taxista cujos traços não recordo salvou o meu Sant Jordi!

Assim já pude dormir feliz.





Comentários

Mensagens populares deste blogue

Já cá estou outra vez, desculpem a demora...

Aproveito o 8 de Março para dizer que as mulheres deviam ganhar mais do que os homens

Um fim de ano especial, com festa no Palácio Real!