A la carte

Todos os dias fazemos escolhas que mudam a nossa vida. Às vezes não as vemos mas, como sombras indissociáveis do nosso destino, elas estão lá.
Às vezes são coisas pequenas, tão pequenas que enganam. Não se deixem enganar, porque é nas entrelinhas das coisas pequenas que se escrevem as maiores afirmações.
Outras vezes são escolhas que carregam o mundo nos ombros, daquelas que sentimos o peso como um murro no estômago. Escolhas que nos fazem rodopiar em looping na almofada em vez de dormir.
Essas escolhas são lixadas, felizmente, não acontecem todos os dias. Só em ocasiões especiais.
Depois há as escolhas espontâneas, que se apresentam sem serem anunciadas, escolhas que nos caíram em cima sem que as pedíssemos aos céus e requerem decisão imediata, no epicentro do momento. São escolhas inquietantes e, provavelmente, as mais dolorosas, mas também são as que passam mais rápido.
Todas as tipologias de escolhas têm uma coisa em comum: não vêm com marcha atrás incorporada. Uma vez escolhida a escolha, já foi, a opção descartada deixa de existir e as consequências, boas, más ou assim-assim, serão inevitáveis.
Todos os dias fazemos escolhas que mudam a nossa vida.

Escolham bem!

Comentários

Mensagens populares deste blogue

O síndrome de Bridget Jones

Já cá estou outra vez, desculpem a demora...

Aproveito o 8 de Março para dizer que as mulheres deviam ganhar mais do que os homens