Feliz noite de Santo António, para vocês que podem!

Há tempos que não me meto nestas complicações
Das quadras e dos versos.
Mas hoje é noite de bailaricos
E há que cantar aos pregões
Às sardinhas e aos manjericos!

Este poema é para as bandeirolas dos arraiais
E para o comboio da linha, superlotado.
Este poema é desde o Castelo até ao Cais
E para as marchas que chegam ao Chiado.

Um beijo na Bica
Um abraço a Alfama
Um pezinho na Graça
Um olé para o Benfica
E os sinos da Sé para quem ama.  

Marcamos no Parque das Cebolas o jantar
Brindamos com copos de plástico na mão
E muitas pisadelas pelo chão
Mas ninguém vai reclamar.

Saudades das bifanas à luz da lua
E do som das varandas a cantar.
Ver toda a gente na rua
A dançar até ao sol raiar!

Lisboa tu hoje és senhora e rainha
E estar contigo era tudo o que eu queria
Para vadiar como boa alfacinha
Entre fados, pimbalhada e muita alegria!  

Falto em corpo à minha festa preferida
E por isso te peço perdão
Mas estou em espírito na mais íngreme subida

E levo o Santo António no coração. 






Comentários

Mensagens populares deste blogue

O síndrome de Bridget Jones

Já cá estou outra vez, desculpem a demora...

Aproveito o 8 de Março para dizer que as mulheres deviam ganhar mais do que os homens