Uma questão de perspectiva

A questão das perspectivas é, realmente, sui géneris. Estava eu a voltar de Londres, depois de um táxi, uma hora de autocarro, uma hora de espera no controlo de segurança de Stansted, onde obrigam a pôr todos os líquidos numa bolsinha transparente, duas horas de avião e outra meia hora de táxi, quando cheguei a casa. Meia noite e meia, mais coisa, menos coisa. Paguei ao motorista, agarrei na bolsa, abri a porta, saí do taxi, fechei a porta. Caminhei até à entrada do meu prédio e, em frente ao portão, pensei “Hoje vou de elevador, que com a mala não me vou pôr a subir as escadas”. Só aí me apercebi de que não estava com a mala. Não, a mala estava no porta bagagens do táxi. A mala que nem sequer era minha, era uma carry on cinzenta que tinha pedido emprestada a uma amiga (que graças a Deus não fala português, portanto jamais lerá este post),  motivo pelo qual tinha passado tanto a  viagem de ida como de volta com redobradas precauções para não me esquecer da mala, não me confundir, não a trocar, não a estragar. Confirmava a cada segundo que tinha a mala, abria o código e voltava a fechar para ter certeza de que era a mala certa e não saí de ao pé dela nem para ir à casa de banho. Ironias de vida, eu tinha chegado a casa e a mala não.
Fui a correr para a esquina onde o táxi me tinha deixado e seguiu-se um ataque de pânico com arritmia cardíaca ali mesmo, no meio da rua, à meia noite e meia, mais coisa, menos coisa (e menos uma mala).  Não sabia se gritar, se chorar. Tinha o telemóvel na mão, mas também não sabia a quem ligar. A única esperança era o táxi aperceber-se e voltar para trás. Mas e se não se apercebesse? E se só desse por ela no dia seguinte? E se ficasse com a mala para vender as minhas coisas ou oferecer à família no Natal? Comecei a fazer contas à vida, só os sapatos Louboutin (novos!) já eram 600€, mais as minhas roupas, casacos e todos os produtos de maquilhagem e OH MEU DEUS a arritmia cardíaca começou a palpitar mais forte! Apareceu um táxi e eu pensei que era aquele e ele pensou que eu queria ir a algum lado e tudo não passou de um mal entendido. Já estava pronta para desistir, dar tudo por perdido e ir a chorar para casa e comprar uma mala nova à minha amiga, quando vi outro táxi a descer a rua, com o condutor a fazer-me adeus. Pum-pum, pum-pum, pum-pum aguenta coração!!! Desta vez era mesmo aquele, louvado seja o Senhor! O taxista disse que se apercebeu logo mas que tinha ido dar a volta. Também disse que pensou que eu era uma traficante ou uma terrorista e lhe tinha deixado ali a “mercadoria” de presente... Ora cá está o sal da vida, o pleno esplendor da beleza de diferentes perspectivas:  eu a pensar que ele era um ladrão, ele a pensar que eu era uma criminosa procurada pela Interpol.

Afinal, ele era só um motorista de táxi honesto e eu era só uma viajante extremamente cansada, à meia noite e meia, mais coisa, menos coisa (mais uma mala).  

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Já cá estou outra vez, desculpem a demora...

Um fim de ano especial, com festa no Palácio Real!

Aproveito o 8 de Março para dizer que as mulheres deviam ganhar mais do que os homens