As grutas de Kapsia

Gosto de grutas. Sei que são frias e húmidas, sei que têm aranhas colossais e outros insetos pouco apetecíveis. Sei que são escuras e claustrofóbicas, mas o que é que eu posso fazer, gosto de grutas. Há algo de viajar a uma dimensão diferente quando entramos numa gruta. Um burburinho de excitação e uma curiosidade por algo secreto e centenário.
Uma estalactite cresce 1 cm cada 100 anos. Quando entramos numa gruta e vemos metros de estalactites a pender do teto e outros tantos de estalagmites a romper o chão, sabemos imediatamente que estamos a percorrer um caminho de milhares de anos.
Já visitei várias grutas, porque sempre que há grutas na jogada lá vou eu.  Umas mais profundas, umas mais místicas, outras mais bonitas, outras mais secas,  mas nenhuma tão grande como a gruta de Kapsia, onde uma guia privada nos contou toda a história por detrás daquelas rochas. A gruta de Kapsia chegou ao mundo antes de Cristo, há mais de 3.000 anos, e tal como indicam os restos de cerâmica que podemos ver, foi usada como local para sacrifícios a um Deus meio cabra meio homem, por estar numa zona de campo e agricultura. Não há pinturas nas paredes nem nenhum outro indício de que a gruta fosse usada como refúgio ou moradia, apenas os restos de cerâmica, na primeira parte da gruta denominada a parte das maravilhas. Nesta primeira parte observamos várias estalactites cobertas de cálcio, que se forma com a água que escorre pela pedra e lhes dá um tom brilhante mágico, como se fossem pedras preciosas ou uma sobremesa com cobertura de açúcar. Não sei se haverá muita gente a pensar em comida no meio de um buraco subterrâneo, mas eu não pude evitar.
A segunda parte da gruta também tem estalactites cintilantes, qual disco ball na pista de dança e seria igualmente maravilhosa, não fosse terem ali encontrado vários esqueletos, pelo que foi batizada como a parte dos ossos. Ora aqui estão os ossos de uma perna, ali está um crânio, conseguem ver? E aqui apenas uma parte do crânio de uma criança, como se pode determinar pelas pequenas dimensões, dizia a guia toda entusiasmada enquanto apontava com a sua lanterna para iluminar os ossos. Ora e como é que aqueles ossos foram ali parar perguntam vocês? Então, diz a guia que houve uma cheia e, efetivamente, podem ver-se as marcas da água cravadas nas paredes. Supõe-se que a cheia tenha bloqueado a entrada da gruta, que já de si não era a coisa mais acessível do mundo, e as pessoas tenham ficado ali encurraladas. Outra teoria é que mesmo se pudessem ter saído da gruta, eventualmente haveria inimigos à espera para emboscá-los. Diz que Esparta e Kapsia andavam em constantes guerras. Quer-se dizer, ou ficavam na gruta inundada sem provisões e morriam, ou saíam e tinham um comité de boas vindas à espera para matá-los.

 Não eram tempos fáceis... 





Comentários

Mensagens populares deste blogue

Já cá estou outra vez, desculpem a demora...

Um fim de ano especial, com festa no Palácio Real!

Aproveito o 8 de Março para dizer que as mulheres deviam ganhar mais do que os homens