Don Giovanni

O Don Juan é um bom conhecido de todos nós. Um Zézé Camarinha à espanhola que, verdadeiramente, era italiano, com uma lista de conquistas impressionantemente vasta em Espanha.
Um personagem idolatrado por muitos e que em todos desperta curiosidade. Mozart elevou o seu estatuto a ópera e agora há uma interpretação portuguesa que fomos ver, em família, ao teatro Thalia. Não posso contar o final para não estragar a surpresa, mas, acreditem, “não é o que parece”.
Posso dizer que a minha personagem preferida é o Leoporello, o fiel criado do Don Giovanni, que tenta convencê-lo a mudar o seu life style de womanizer, sem sucesso mas com muita graça.
Outra coisa que me chamou a atenção foi o espaço em si, um palco humilde imbuído nas paredes em ruinas, com pedras que nos transportavam mesmo a uma qualquer noite de tempestade da Veneza do séc. XVII. O cenário ganhava vida com um jogo de luzes de maestro e a orquestra em vivo. Não fazem falta mais personagens nem complexidades no argumento para fazer uma boa peça.
Don Giovanni é uma comédia muito entretida, apta para todos os públicos, com atores vibrantes e um texto acessível, sem grandes rococós, conciso e divertido.
Se estiverem numa de gargalhadas culturais recomendo-vos este eterno galã e desafio-os a não se renderem aos seus encantos!

A captação de imagens estava interdita pelo que tive de saquear da internet...



Comentários

Mensagens populares deste blogue

Um fim de ano especial, com festa no Palácio Real!

Já cá estou outra vez, desculpem a demora...

O melhor plano de fim de semana (e vai daí talvez não)!