Os opostos atraem-se

Vi uma foto da Sara Sampaio em frente a um photocall com as marcas Balmain Paris e H&M.
A Balmain vende vestidos por 2.000€, a H&M por 20€. Pensei uuuui, a Balmain não deve estar nada contente com esta associação, o seu logo de haute couture lado a lado com o da simplória H&M.
Quando estudamos comunicação e marketing aprendemos que as marcas procuram associar-se a outras marcas com o mesmo nível de prestígio.  Por exemplo, a Milka com a Oreo ou com as Tuc, que é a associação mais deliciosa que me vem à cabeça.
Teoricamente, a Balmain embarcar numa colaboração com a H&M, seria como o Mc Donalds lançar hambúrgueres de um Chef com estrelas Michelin.
Mas a vida tem muito pouco de teoria e a comunicação não é medicina, portanto aquilo que aprendemos na universidade pode ser desconstruído que não morre ninguém. E a Balmain e a H&M fizeram-no no que parece ter sido o maior evento mediático de Nova Yorque esta temporada. Apresentaram uma coleção de luxo a preços acessíveis, num desfile de moda com todas as fashion celebridades do momento, com modelos da estripe de Alessandra Ambrósio, com as it girls das famílias Kardashian e Hadid e com os Back Street Boys. Aqui marcaram outro ponto. A estas alturas dos anos 2000, quem se lembraria de trazer de volta os Backstreet Boys? Mas, ao mesmo tempo, quem não gostaria de, de repente, tê-los em frente a cantar o Backstreet’s Back?
Conquistaram os bloggers e os marcadores de tendências e venderam todas as prateleiras que puseram à disposição dos seletos convidados.
A publicity para ambas as marcas nas redes sociais e meios de comunicação foi astronómica.
E o resto dos comuns mortais, como eu,  estão ansiosos à espera do dia 5 de Novembro para correr à H&M mais próxima.

Um grande olé para os pensadores desta estratégia de comunicação, onde as roupas são o que menos importa. 




Comentários

Mensagens populares deste blogue

Já cá estou outra vez, desculpem a demora...

Um fim de ano especial, com festa no Palácio Real!

Aproveito o 8 de Março para dizer que as mulheres deviam ganhar mais do que os homens