Às cabeçadas com o tofu

No outro dia fui comprar água ao supermercado biológico que tenho aqui ao lado de casa. Não é que tenham água biológica, ou que eu compraria água biológica se a tivessem, mas o pack de 6 garrafas de litro e meio é pesado e este é o supermercado que menos dista da porta de minha casa.
À espera para pagar reparei num croissant que dizia “Croissant de frankfurt de tofu”.
Indignei-me logo ali!
Hoje em dia qualquer pessoa pode escrever qualquer coisa em qualquer sítio e ninguém diz nada. É demasiado fácil abusar das palavras e confundir os termos para escrever coisas mais “vendíveis”. Não há respeito pelos significados, vivemos um niilismo verbal que se está pouco marimbando para a semiótica. É um descontexto pespegado! Estará Camões a dar piruetas nos Jerónimos, esteve ele ali com tantos trabalhos a contar verso por verso dos Lusíadas para que tivessem todos 10 sílabas e vem agora o tofu  dar cabo da literatura. 
Não me mal interpretem, acho maravilhoso que queiram fazer croissants de tofu! Mas então não lhes chamem frankurt. Aqui, um frankfurt quer dizer uma salsicha. Uma salsicha de porco, daquelas que se metem nos cachorros quentes. Aliás, um frankfurt é um cachorro quente. Pelo que, claramente, é impossível um frankfurt ser de tofu. Se é de tofu, na melhor das hipóteses poder-se-ia chamar “Croissant de spring roll de tofu”. Mas nunca um frankfurt de tofu.
É como dizer, croissant de queijo da serra de tofu. Não meus anjos, o queijo da serra não é de tofu, é de leite de ovelhas de Celorico da Beira!
E o frankfurt é de salsicha de porco.
E o croissant é de tofu. E por muito tuning que lhe façam ao nome, um croissant de tofu nunca vai ser tão “cool” como um croissant de chocolate ou um de fiambre e queijo, ou um de salsicha de verdade.

Essa é a dura realidade. 

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Já cá estou outra vez, desculpem a demora...

Aproveito o 8 de Março para dizer que as mulheres deviam ganhar mais do que os homens

Um fim de ano especial, com festa no Palácio Real!