Estreia mundial

Na semana passada fui ao teatro, noite de estreia, casa cheia. Mas em vez de uma peça, vi 7 homens seminus. Dito assim peca por essência. Dito assim, poderia muito bem ser uma despedida de solteira num bar em Albufeira.
Aliás, um dos protagonistas tocou guitarra enquanto fazia a espargata suspenso no ar. Outro, pendurado de cabeça para baixo, sapateava e tocava flauta.
Trapézios e plataformas voadoras, saltos e bailados, coreografias futuristas com figurinos de luzes LED programados por computador, canções contemporâneas e até um pouco de StarWars.
Não era um circo. Não era um cabaré. Não era um concerto. Embora tenha havido momentos em que parecia que estávamos num concerto de Bon Jovi com toda a gente de pé aos saltos. Sei que Bon Jovi não é a referencia musical mais atual, mas se alguma vez forem a um concerto deles anuirão que é o exemplo perfeito.
Era um espetáculo em que queriam surpreender. Queriam divertir. Queriam entreter. Queriam fazer sentir.
As palmas e as ovações de pé assinalaram o objetivo cumprido.
Os Vivancos, bailarinos de flamenco e irmãos, reinventaram o flamenco das rosas no cabelo. Moldaram a tradição como se fosse plasticina para interpretá-la aos olhos da arte contemporânea e do presente criativo, um tempo difícil de conjugar.
Criaram um flamenco próprio, um flamenco em que nos podemos rir durante o espetáculo como se eles nos tivessem a fazer cócegas. Um flamenco que transcende a música, a dança e os cavalos, com produções audiovisuais e intérpretes polivalentes que se desdobram em mil talentos. Às vezes com roupa, às vezes sem...
Olé!




Comentários

Mensagens populares deste blogue

O síndrome de Bridget Jones

Já cá estou outra vez, desculpem a demora...

Aproveito o 8 de Março para dizer que as mulheres deviam ganhar mais do que os homens