Um poema de adultos


Tenho saudades de quando éramos
felizes sem saber
Porque éramos apenas,
Éramos sem ser.
Éramos sem pensar.
Sentíamos,
E deixávamo-nos levar.
Assim fizemos de todos os dias
Um dia para lembrar.
Os anos passaram,
Porque o inevitável não se pode mudar,
Mas as lembranças,
Essas ficaram,
E hoje fazem-nos perguntar:
Onde é que os nossos sonhos pararam?
Quando foi que deixámos de acreditar,
De sonhar,
de imaginar,
de desejar…
Algures pelo caminho da vida
Perdemos o melhor
que tínhamos para dar.
Agora já está na hora
De parar
De ir lá buscar
Esse je ne sais quoi
Que nos fazia voar.  

Comentários

Mensagens populares deste blogue

O síndrome de Bridget Jones

Já cá estou outra vez, desculpem a demora...

Aproveito o 8 de Março para dizer que as mulheres deviam ganhar mais do que os homens